Mundo

Japão e Holanda irão restringir exportações de tecnologia de fabricação de chips para China

Controles dos países estão em linha com as medidas de restrição anunciadas pelos Estados Unidos em outubro com o intuito de impedir a China de desenvolver chips de ponta

Chips: O governo Biden tem dito que as medidas visam impedir que os militares chineses obtenham chips avançados (mailsonpignata / 500px/Getty Images)

Chips: O governo Biden tem dito que as medidas visam impedir que os militares chineses obtenham chips avançados (mailsonpignata / 500px/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 12 de dezembro de 2022 às 17h51.

Última atualização em 12 de dezembro de 2022 às 18h15.

O Japão e a Holanda concordaram, em princípio, em se juntar aos Estados Unidos com o intuito de restringir as exportações de máquinas avançadas utilizadas na fabricação de chips para a China. A informação foi confirmada com fontes com conhecimento do assunto e torna-se um potencial golpe para as ambições tecnológicas do governo de Pequim.

A expectativa é que os dois países anunciem nas próximas semanas pelo menos algumas das medidas abrangentes adotadas pelos EUA em outubro para restringir a venda de equipamentos avançados de fabricação de semicondutores. O governo Biden tem dito que as medidas visam impedir que os militares chineses obtenham chips avançados.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Bloqueio de recursos à China

A aliança de três países representaria um bloqueio quase total da capacidade da China de comprar o equipamento necessário para fabricar chips de ponta. As regras dos EUA restringiram o fornecimento de equipamentos americanos dos fornecedores Applied Materials, Lam Research e KLA. A japonesa Tokyo Electron e a holandesa ASML são os outros dois fornecedores críticos que os EUA precisavam para tornar as sanções efetivas, o que torna a adoção das restrições de exportação por seus governos um marco significativo.

Na segunda-feira, a China entrou com uma disputa sobre os controles de exportação dos EUA na Organização Mundial do Comércio (OMC), informou o Ministério do Comércio do país em comunicado. O governo chinês disse que as restrições ameaçam a estabilidade da cadeia de suprimentos global e que a justificativa de segurança nacional dos Estados Unidos é duvidosa.

Mas a oposição global às ambições de fabricação de chips da China está aumentando. O governo japonês concordou com restrições semelhantes às das autoridades holandesas nas últimas semanas, já que os dois países queriam agir em conjunto, segundo fontes.

O Japão teve que superar a oposição de empresas domésticas que preferem não perder vendas para a China, de acordo com uma fonte. Além da Tokyo Electron, a Nikon e a Canon são empresas com menor participação de mercado. O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão não respondeu aos pedidos de comentários.

Países pensam em mais bloqueios no futuro

Os três países são as principais fontes mundiais de maquinário e conhecimentos necessários para fabricar semicondutores avançados. Os dois governos planejam proibir a venda de máquinas capazes de fabricar chips de 14 nanômetros ou mais avançados para a China, de acordo com fontes.

A tecnologia de 14 nm está pelo menos três gerações atrás dos últimos avanços disponíveis no mercado, mas já é a segunda melhor tecnologia da semiconductor Manufacturing International Corp., líder na fabricação de chips da China.

O integrante do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Tarun Chhabra, e o subsecretário de Comércio para Indústria e Segurança, Alan Estevez, estiveram na Holanda no final de novembro para discutir os controles de exportação, apurou a Bloomberg. A secretária de Comércio Gina Raimondo conversou por teleconferência sobre os mesmos problemas com o responsável pelo METI, Yasutoshi Nishimura, na semana anterior.

Com a mudança, autoridades holandesas e japonesas codificarão e expandirão suas medidas de controle de exportação existentes para restringir ainda mais o acesso da China a tecnologias de ponta de chips.

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:ChinaChipsEstados Unidos (EUA)HolandaJapão

Mais de Mundo

Companhias aéreas retomam gradualmente os serviços após apagão cibernético

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Trump conversa com Zelensky e promete "negociação" e "fim da guerra" na Ucrânia

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Mais na Exame