Irmandade Muçulmana não negociará com novas autoridades

A Irmandade expressou sua rejeição ao "golpe de Estado contra a vontade do povo"

Cairo - A Irmandade Muçulmana do Egito anunciou nesta quinta-feira que não participará de nenhuma negociação com as novas autoridades do país e expressou sua rejeição ao "golpe de Estado contra a vontade do povo".

"Anunciamos nossa rejeição categórica ao golpe de Estado contra o presidente eleito e a vontade do povo, e rejeitamos a participação em qualquer negociação com a nova autoridade", disse o grupo em comunicado divulgado em sua página eletrônica.

Além disso, a Irmandade pediu aos manifestantes que sejam pacíficos durante os protestos e criticou qualquer tipo de violência.

"Rejeitamos as práticas repressivas do Estado policial, como os assassinatos, as detenções, a restrições à liberdade dos meios de comunicação e o fechamento de emissoras", acrescentou o comunicado.

As forças de segurança prenderam diretores e apresentadores de canais de televisão religiosos islâmicos no Cairo e cancelou suas transmissões.

A Justiça egípcia emitiu nesta quinta-feira uma ordem para proibir a saída do país do presidente deposto Mohammed Mursi, que foi acusado, ao lado de oito dirigentes da Irmandade Muçulmana, de ter insultado o Poder Judiciário

Além disso, a Promotoria ordenou a prisão dos líderes da Irmandade e de seu braço político, o partido Liberdade e Justiça. As forças de segurança já começaram a deter alguns dos dirigentes islamitas.


Já o partido salafista Al Nour, que terminou em segundo nas últimas eleições parlamentares egípcias, disse hoje em comunicado que a experiência de Mursi foi um "fracasso como consequência das práticas equivocadas que levaram a uma divisão na sociedade egípcia".

O partido afirmou que apresentou várias iniciativas para superar a crise política que foram rechaçadas pela presidência, o que contribuiu para que a oposição política a Mursi se transformasse em uma "oposição popular apoiada pelas instituições do Estado".

O Al Nour pediu ao Ministério do Interior e às Forças Armadas que não persigam os militantes das correntes islamitas e repeitem as liberdades obtidas pela revolução egípcia de 2011, que derrubou do poder o presidente Hosni Mubarak.

As Forças Armadas egípcias depuseram ontem o presidente egípcio, Mohammed Mursi, eleito há um ano, e designaram como líder interino do país o presidente do Tribunal Constitucional, Adly Mansour, que deverá convocar e supervisionar as próximas eleições presidenciais.

*Atualizada às 13h17

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.