Hu Jintao pede desenvolvimento comum a líderes dos Brics

Presidente chinês quer reforçar posição e papel dos emergentes e países em desenvolvimento na economia global

Brasília - O presidente da China, Hu Jintao, pediu hoje (14) aos líderes dos países do Brics - grupo que reúne o Brasil, a Rússia, Índia e, a partir de hoje, a África do Sul - para reforçar a parceria visando ao desenvolvimento comum. O chinês afirmou que a cooperação contribui não só para o crescimento econômico e social dos cinco países, mas também para a paz e o desenvolvimento do mundo.

As informações são da agência estatal de notícias da China, a Xinhuan. "Devemos construir sobre o que temos conseguido e planejar o futuro", afirmou Hu Jintao. Segundo ele, o caminho é aderir aos princípios básicos da solidariedade, confiança mútua, abertura, transparência e do desenvolvimento comum.

"Devemos permanecer firmemente comprometidos com os interesses comuns dos países do Brics, intensificar a coordenação nos domínios da economia internacional, financeira e de desenvolvimento e reforçar a posição e o papel dos mercados emergentes e países em desenvolvimento na governança econômica global", disse o presidente chinês.

Os líderes dos países que compõem o Brics estão reunidos hoje na cidade de Sanya, no Sul da China. A presidenta Dilma Rousseff, o presidente russo, Dmitri Medvedev, o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, e o presidente sul-africano, Jacob Zuma, mantiveram encontros bilaterais e posaram para a foto oficial.

De 2003 a 2010, o crescimento dos países do Brics representou cerca de 40% da expansão do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Apenas o PIB do grupo corresponde a 25% da economia mundial.

No período, houve um aumento de 575% na corrente de comércio entre o Brasil e os países do Brics (as trocas passaram de US$ 10,71 bilhões em 2003 para US$ 72,23 bilhões em 2010). A estimativa de comércio total entre esses países passou de US$ 38 bilhões em 2003 para US$ 143 bilhões em 2009 e para US$ 220 bilhões em 2010. Os números ainda não foram fechados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.