Greves de fome aumentam e EUA enviam médicos a Guantánamo

Dos 166 prisioneiros, 84 faziam greve de fome na segunda-feira (22), e 16 deles estão sendo alimentados à força por meio de tubos instalados pelo nariz

Miami - Os militares dos Estados Unidos estão enviando equipes médicas adicionais à prisão de Guantánamo, onde mais de metade dos presos aderiu a uma greve de fome em protesto contra sua detenção por tempo indeterminado, disse um porta-voz do local na segunda-feira.

Os reforços - menos de 40 - chegarão até o final de abril, segundo o tenente-coronel Samuel House, porta-voz da operação carcerária da Base Naval de Guantánamo, que pertence aos EUA e fica no sudeste cubano.

House disse que o grupo mobilizado inclui um médico, enfermeiros, farmacêuticos e paramédicos, que se somarão a cem profissionais da saúde já presentes na base.

O porta-voz disse que o motivo do envio foi "o crescente número de detentos que optou pela greve de fome".

Os militares informaram que 84 dos 166 prisioneiros faziam greve de fome na segunda-feira, e que 16 deles estão sendo alimentados à força por meio de tubos instalados pelo nariz. Seis haviam sido internados para observação, segundo House.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.