Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Governo catalão organizará consulta alternativa

O governo organizará uma consulta alternativa, diante da impossibilidade de realizar o referendo de independência de maneira legal

Barcelona - O governo da Catalunha organizará uma consulta alternativa em 9 de novembro, ao invés da inicialmente prevista, diante da impossibilidade de realizar o referendo de maneira legal, em consequência da oposição ferrenha de Madri, anunciou o presidente regional, Artur Mas, em Barcelona.

"Convocaremos as pessoas no dia 9 de novembro e, apesar de termos que fazer de forma diferente a como tínhamos previsto, também teremos locais abertos, urnas, cédulas", afirmou Mas.

O presidente regional catalão disse ainda que seu governo vai preparar toda a logística necessária para que os cidadãos possam votar.

Após uma longa reunião na segunda-feira dos quatro partidos catalães que favoráveis ao referendo, os participantes anunciaram o fim do consenso sobre como responder ao governo da Espanha: alguns defenderam a desobediência civil e outros pediram o respeito à legalidade.

Ao contrário do governo britânico, que autorizou o referendo de 18 de setembro dos escoceses sobre a independência, que terminou com a vitória do "não", o governo espanhol de Mariano Rajoy não aceita a consulta catalã, que chama de inconstitucional por considerar que abala a soberania nacional.

Diante da situação, Mas voltou a propor nesta terça-feira a convocação de eleições regionais com caráter plebiscitário, com um "programa comum e uma lista comum" dos partidos independentistas.

"Este é o instrumento final para fazer a consulta", afirmou, antes de reconhecer que, após a ruptura do consenso, o projeto "está mais verde que maduro, pelo que constatei até agora".

Grande região do nordeste da Espanha com 7,5 milhões de habitantes e 20% da riqueza do país, a Catalunha registra um crescimento do sentimento independentista nos últimos anos, estimulado pela crise econômica que agravou as tensões políticas com Madri.

Mais cedo, o primeiro-ministro Mariano Rajoy afirmou que a renúncia ao referendo era uma "excelente notícia".

"Cumprir a lei é obrigação de todos", disse.

Diante dos crescentes obstáculos legais desde que, em 29 de setembro, o Tribunal Constitucional espanhol aceitou dois recursos do governo de Rajoy contra a consulta independentista, o governo regional catalão anunciou na segunda-feira à noite a suspensão do referendo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também