Mundo

Europa não convence Ucrânia e acordo não é assinado

Os líderes europeus asseguraram que a porta da UE e de seu vasto mercado de 500 milhões de habitantes continuará "aberta"

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de novembro de 2013 às 18h15.

Vilnius - A União Europeia não conseguiu convencer a Ucrânia a assinar nesta sexta-feira um acordo histórico selando sua aproximação com o Ocidente, ante a pressão de Moscou, o que constitui uma verdadeira derrota para os europeus.

No final da terceira cúpula da Parceria Oriental entre a UE e seis ex-repúblicas soviéticas - Ucrânia, Geórgia, Moldávia, Belarus, Armênia e Azerbaijão - os resultados foram aquém do esperado.

A UE firmou dois acordos de associação com a Geórgia e a Moldávia, cuja assinatura definitiva só deve ocorrer nos próximos meses, e assinou um acordo de facilitação de vistos com o Azerbaijão.

Mas nada com a Ucrânia, centro das atenções e objeto de tensas negociações há meses.

Ainda assim, o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, confirmou a intenção de seu país "de assinar um acordo de associação em um futuro próximo".

"O status quo não mudou. O presidente ucraniano não está disposto a avançar para uma maior integração com a União Europeia", declarou a presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, que sediou a cúpula em Vilnius.

Ela acusou os líderes ucranianos de escolher "um caminho que não leva a nada". "É um fracasso da Ucrânia", cujo inflexível presidente Viktor Yanukovych chegou a viajar à capital da Lituânia.

Os líderes europeus asseguraram que a porta da UE e de seu vasto mercado de 500 milhões de habitantes continuará "aberta".

"Está aberta, porque é importante para eles e para nós", indicou a representante da UE para as Relações Exteriores, Catherine Ashton, na esperança de que os dois lados "avancem o mais rápido possível" neste sentido.


"A porta estará sempre aberta para os ucranianos, contanto que eles desejem isso", declarou, por sua vez, o presidente francês, François Hollande. "Cabe aos ucranianos querer essa perspectiva de associação", insistiu.

A chanceler alemã, Angela Merkel, ressaltou que os "processos históricos podem levar um longo tempo". Ela considerou ser necessário "conversar mais com a Rússia sobre o que pode ser feito para superar" a questão da escolha entre a Rússia e a UE.

"Coragem e vontade política"

Muitos líderes políticos acreditam que a negação de Kiev pode azedar a relação entre as duas partes por meses, ou até anos.

Esta estratégia de aproximação foi lançada em 2009 para estabilizar e proteger a Europa das ex-repúblicas soviéticas.

A tática é dificultada pela recusa da Rússia de Vladimir Putin, que multiplica as pressões e ameaças contra os países da ex-URSS, e que já atraiu Armênia em seu projeto de união aduaneira.

Em um breve comunicado, o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, também elogiou a "determinação, coragem e vontade política" dos líderes da Geórgia e da Moldávia, garantindo que a UE "respeitará" a soberania desses países.

Aos europeus, Yanukovych expôs ontem à noite os graves problemas econômicos de seu país, em parte devido às medidas de retaliação tomadas nos últimos meses por Moscou.

Ele reiterou seu pedido para que esses problemas sejam resolvidos "em conjunto pela UE e Rússia", de acordo com Grybauskaite.

Mas sua tentativa não deverá ter sucesso, já que sua proposta de diálogo tripartite Kiev-Bruxelas-Moscou foi rejeitada na semana passada pela União Europeia.

Ele também não ouviu os argumentos dos europeus, incluindo dos recém-chegados do Leste, sobre os benefícios que Kiev poderia ter com uma aproximação com a UE, especialmente para o desenvolvimento econômico e comercial.


O acordo de associação tem sido negociado há cinco anos entre Kiev e Bruxelas, que já comprometeu milhões de euros em favor da modernização política e econômica do país de 46 milhões de habitantes.

Mas a UE, dividida sobre esta questão, nunca ofereceu uma perspectiva clara de integração às ex-repúblicas soviéticas, como fez com os países do Leste após a queda do Muro de Berlim. Segundo uma fonte diplomática, algumas capitais também não estão preocupadas com a recusa da Ucrânia.

A assinatura de um acordo com a UE "representa um claro avanço em nossas relações, que levará o meu país à União Europeia", considerou o primeiro-ministro moldavo, Iurie Leanca.

Ucranianos descontentes

Milhares de ucranianos se reuniram na Praça da Independência de Kiev para manifestar seu descontentamento depois da negativa de assinatura do acordo.

Os manifestantes, que gritavam por "Revolução", eram 5.000 aproximadamente, segundo estimativa de um correspondente da AFPún la estimación de un corresponsal de la AFP, que também viu dezenas de policiais no local.

Alguns confrontos ocorreram entre policiais e manifstantes, segundo a imprensa.

Os manifestantes esperam a volta dos líderes da oposição que viajaram a Vilna para expressar sua opinião durante a cúpula.

"Este presidente vendeu o destino e o futuro da Ucrânia e traiu o povo ucraniano", declarou em Vilnius um líder da oposição, Arseni Yatseniuk, aliado da opositora presa Yulia Timoshenko.

"A Ucrânia ingressará na Europa sem Yanukovych", declarou, por sua parte, Vitali Klitschko, campeão mundial de boxe e líder do partido de oposição Oudar, candidato declarado à presidência.

Horas antes, milhares de manifestantes da oposição formaram uma corrente humana simbólica para unir a Ucrânia à Europa.

Aproximadamente 20.000 pessoas, segundo os organizadores, participaram em uma ação em Lviv, a principal cidade da Ucrânia ocidental, tradicionalmente orientada para a Europa.

Acompanhe tudo sobre:DiplomaciaEuropaUcrâniaUnião Europeia

Mais de Mundo

Família real britânica é retirada de evento na ilha de Jersey após incidente de segurança

Investigadores desbloqueiam telefone do atirador em busca de motivo para ataque contra Donald Trump

Elon Musk promete doar R$ 245 milhões por mês para campanha de Trump

Trump pede que Robert Kennedy Jr receba "imediatamente" proteção do Serviço Secreto

Mais na Exame