EUA transmitiram mensagem cética em relação à UE, dizem fontes

Fonte confirmou a visão de que a Alemanha e seus parceiros europeus devem se preparar para uma política de "hostilidade em relação à UE"

Berlim - Na semana que antecedeu a visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, a Bruxelas e sua promessa de um compromisso "firme e duradouro" dos EUA com a União Europeia, o estrategista-chefe da Casa Branca, Steve Bannon, se reuniu com um diplomata alemão e transmitiu uma mensagem diferente, de acordo com pessoas a par das conversas.

Bannon, disseram as fontes, sinalizou ao embaixador da Alemanha em Washington que vê a UE como uma estrutura falha e que prefere conduzir as relações com a Europa de forma bilateral.

Três pessoas que foram informadas sobre a reunião falaram à Reuters sob condição de anonimato, devido à delicadeza do assunto. O governo alemão e o embaixador, Peter Wittig, não quiseram comentar, citando a confidencialidade das conversas.

Um funcionário da Casa Branca que conversou com Bannon em resposta a uma indagação da Reuters confirmou que a reunião ocorreu, mas disse que o relato da Reuters foi impreciso. "Eles só conversaram por cerca de três minutos e foi só um alô rápido", afirmou.

As fontes descreveram um encontro mais longo, durante o qual Bannon levou o tempo que quis para expor sua visão de mundo.

As fontes disseram que sua mensagem foi semelhante à que transmitiu em uma conferência no Vaticano em 2014, quando estava a cargo do site de direita Breitbart News.

Naqueles comentários, feitos via Skype, Bannon falou de maneira favorável sobre movimentos populistas europeus e descreveu um anseio por nacionalismo por parte de pessoas que "não acreditam nesta espécie de pan-União Europeia".

A Europa Ocidental, afirmou ele à época, foi erguido tendo com base "movimentos nacionalistas fortes", acrescentando: "Acho que é o que pode nos levar adiante".

O encontro perturbou integrantes do governo alemão, em parte porque algumas autoridades vinham alimentando a esperança de que Bannon pudesse moderar suas opiniões uma vez no governo dos EUA e demonstrar uma mensagem mais matizada sobre a Europa em conversas particulares.

Uma fonte a par da reunião disse que ela confirmou a visão de que a Alemanha e seus parceiros europeus devem se preparar para uma política de "hostilidade em relação à UE".

Uma segunda fonte expressou o temor, baseado em seus contatos com Washington, de que não se esteja valorizando o papel do bloco na manutenção da paz e da prosperidade na Europa do pós-guerra.

"Parece não existir na Casa Branca a compreensão de que um desmonte da UE teria consequências graves", disse a fonte.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.