Mundo

EUA estão abertos ao diálogo com Coreia do Norte, diz Kerry

O chefe da diplomacia americana está em Tóquio para a última etapa de sua viagem pela Ásia

O secretário de Estado americano, John Kerry, encontra o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe (AFP)

O secretário de Estado americano, John Kerry, encontra o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe (AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de abril de 2013 às 07h09.

Tóquio - Os Estados Unidos permanecem abertos a negociações com a Coreia do Norte, afirmou nesta segunda-feira o secretário americano de Estado, John Kerry, pedindo a Pyongyang que dê um passo em direção ao diálogo.

"Os Estados Unidos seguem abertos a negociações honestas e confiáveis sobre a 'desnuclearização', mas a bola está com Pyongyang", disse Kerry durante um discurso no Instituto Tecnológico de Tóquio, no momento em que o mundo teme que Pyongyang dispare um míssil para celebrar o nascimento do fundador da dinastia comunista.

O chefe da diplomacia americana está em Tóquio para a última etapa de sua viagem pela Ásia, após Pequim e Seul, com o objetivo de reafirmar o apoio de Washington a seus aliados na região diante da ameaça norte-coreana.

No domingo, Kerry afirmou que Washington, que obteve o apoio de Pequim para apaziguar de forma conjunta a crise na península coreana, está "totalmente determinado a defender o Japão", país ameaçado pela Coreia do Norte com um ataque nuclear.

Kerry, que se reuniu com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe antes de encerrar a viagem por três países asiáticos, disse que as conversações na China e na Coreia do Sul já demonstraram que o mundo fala com apenas uma voz.

"Uma coisa é certa: estamos unidos e não há qualquer dúvida a este respeito; o perigoso programa de míssil nuclear norte-coreano ameaça não apenas os vizinhos da Coreia do Norte, mas também seu próprio povo".


Reafirmando sua oferta de diálogo com Pyongyang, Kerry destacou que a Coreia do Norte precisa dar "passos importantes para demonstrar que irá cumprir seus compromissos e as leis internacionais."

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe considerou "intolerável" a conduta de Pyongyang.

Na capital norte-coreana, o dirigente Kim Jong-Un visitou nesta segunda-feira o mausoléu no qual estão os corpos embalsamados dos dois líderes do regime fechado: seu pai Kim Jong-Il e seu avô, Kim Il-Sung, que completaria 101 anos em 15 de abril.

Pyongyang será cenário de um desfile militar e o regime, como costuma fazer nos dias de celebração, pode marcar a data com um lançamento de míssil, o que seria um "grave erro", segundo Kerry.

Segundo a inteligência sul-coreana, o Norte deslocou recentemente para sua costa oriental dois mísseis Musudan, com alcance teórico de até 4.000 km, capazes portanto de atingir alvos em todo o território sul-coreano, japonês e inclusive na ilha de Guam no Pacífico, onde o governo dos Estados Unidos mantém bases navais e aéreas.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaCoreia do NorteEstados Unidos (EUA)JapãoJohn KerryPaíses ricosPolíticos

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame