Acompanhe:

EUA envia agentes do departamento de drogas a Venezuela para investigar elo de Maduro com tráfico

Documento disponibilizado por engano mostraram que um dos objetivos era espionar o militar José Vielma Mora, atual deputado pelo partido governista

Modo escuro

Continua após a publicidade
A missão, que cruza os limites do direito internacional, integrou a chamada Operação Money Badger (em referência a uma espécie de isca (Gabriela Oraa/AFP)

A missão, que cruza os limites do direito internacional, integrou a chamada Operação Money Badger (em referência a uma espécie de isca (Gabriela Oraa/AFP)

Um documento oficial de 15 páginas a que a Associated Press teve acesso revela que a DEA, a agência antidrogas dos Estados Unidos, enviou três agentes disfarçados à Venezuela em 2018, para recolher supostas provas que ajudariam a vincular o entorno de Nicolás Maduro ao tráfico de droga.

A missão, que cruza os limites do direito internacional, integrou a chamada Operação Money Badger (em referência a uma espécie de isca), lançada em um momento de máxima tensão entre Washington e Caracas. Em maio daquele ano, Maduro venceu as eleições presidenciais realizadas sem concorrência real e questionadas pela grande maioria da comunidade internacional, e Donald Trump aumentou exponencialmente a pressão contra o governo venezuelano.

O relatório indica que um dos objetivos dos espiões da DEA era investigar o militar José Vielma Mora, atual deputado na Assembleia Nacional no governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). Desde a época de Hugo Chávez, este líder chavista ocupou cargos importantes no Governo como chefe da arrecadação de impostos e controle aduaneiro e governador do estado fronteiriço de Táchira. Segundo a tese da agência antidrogas dos Estados Unidos, Vielma tinha um suposto cúmplice de atividades ilícitas: Luis Motta Dominguez, também com carreira militar e ex-ministro de Energia Elétrica. A isca foi um lavador de dinheiro profissional, investigado por lavagem de dinheiro e que acabou colaborando com a DEA de Miami.

“É necessário realizar esta operação unilateralmente e sem notificar as autoridades venezuelanas”, indica o memorando. A Associated Press indica que, como o plano foi executado fora do direito venezuelano e internacional, exigiu a aprovação do Comitê de Revisão de Atividades Sensíveis (SARC), um gabinete de altos funcionários do Departamento de Estado e da Justiça que lida com casos delicados devido a suas implicações éticas e legais ou seu impacto na política externa.

O documento, que autorizava a gravação de líderes chavistas em reuniões secretas, foi acidentalmente carregado no site da Procuradoria-Geral de Manhattan junto com dezenas de provas do caso contra dois ex-agentes da DEA, Manny Recio e John Constanzo Jr, condenados por vazamento de informações confidenciais por meio de subornos para a defesa de casos relacionados à Venezuela, como o do empresário Alex Saab. Acusado de ser o testa-de-ferro de Maduro pelas autoridades norte-americanas, Saab foi libertado no final de 2023, através de uma troca de prisioneiros no âmbito de negociações diretas entre Washington e Caracas.

Há quase duas décadas, a Venezuela encerrou o seu programa de cooperação na luta contra as drogas com a DEA. Na verdade, já em 2005, Hugo Chávez expulsou alguns funcionários do país sob acusação de espionagem. Mais um episódio de hostilidades entre o regime bolivariano e os Estados Unidos.

O governo Maduro ainda não se pronunciou sobre esta operação de 2018. No entanto, o relatório, que mostra a interferência da agência antidrogas dos EUA em um país estrangeiro, também vem a público em um momento muito delicado para as relações entre os Washington e Caracas. As negociações entre os dois países para flexibilizar as sanções em troca de garantias para as eleições democráticas marcadas para este ano estão prestes a fracassar devido à decisão do chavismo de bloquear a participação de María Corina Machado, principal candidata do bloco de oposição, escolhida nas primárias.

Dias atrás, o presidente venezuelano acusou a DEA e a CIA de planejarem conspirações para desestabilizar o país. “Não creio que o presidente [Joe] Biden esteja envolvido”, disse Maduro em uma recente aparição na televisão. “Mas a CIA e a DEA são organizações criminosas independentes, imperialistas.”

O Departamento de Estado já alertou que as licenças concedidas para exploração de petróleo e gás em um momento de distensão, em novembro passado, expirarão em abril, depois da assinatura dos acordos de Barbados entre o chavismo e a oposição. Se o Governo Maduro não permitir a participação de María Corina e de todos os candidatos desqualificados nas eleições, o que neste momento está descartado, a Casa Branca imporá mais uma vez ao país caribenho as sanções econômicas que nos últimos anos contribuíram agravar a já profunda crise venezuelana.

Os EUA também pedem a Maduro a abertura do registo eleitoral, a participação de missões independentes de observação eleitoral e o anúncio formal de um calendário para a realização das eleições presidenciais no segundo semestre de 2024.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Lula e Petro devem discutir eleições na Venezuela e guerra em Gaza em reunião na Colômbia
Mundo

Lula e Petro devem discutir eleições na Venezuela e guerra em Gaza em reunião na Colômbia

Há um dia

Venezuela leva documentos à Corte de Haia sobre disputa com a Guiana por Essequibo
Mundo

Venezuela leva documentos à Corte de Haia sobre disputa com a Guiana por Essequibo

Há 4 dias

Guiana denuncia promulgação de lei venezuelana sobre Essequibo
Mundo

Guiana denuncia promulgação de lei venezuelana sobre Essequibo

Há uma semana

Há risco de guerra entre Guiana e Venezuela? Entenda o que pode acontecer
Mundo

Há risco de guerra entre Guiana e Venezuela? Entenda o que pode acontecer

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais