Mundo

Batida de trens em Buenos Aires deixa pelo menos 30 feridos

Acidente deixou duas pessoas com ferimentos graves, um dos maquinistas e uma passageira

Vista aérea do acidente de trens em Buenos Aires, na Argentina, em 10 de maio de 2024 (Sonia AVALOS, Martín RASCHINSKY/AFP)

Vista aérea do acidente de trens em Buenos Aires, na Argentina, em 10 de maio de 2024 (Sonia AVALOS, Martín RASCHINSKY/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 10 de maio de 2024 às 15h27.

Última atualização em 10 de maio de 2024 às 15h37.

Tudo sobreArgentina
Saiba mais

Pelo menos 30 pessoas foram hospitalizadas, e duas delas em estado grave foram levadas de helicóptero, após uma colisão de trens nesta sexta-feira, 10, em Buenos Aires, informaram funcionários do serviço de emergência da cidade, o Same.

O acidente ocorreu às 10h30 locais (mesmo horário em Brasília), quando um trem urbano com passageiros da linha ferroviária General San Martín colidiu com outro de manutenção que, por motivos que estão sendo investigados, estava parado no bairro de Palermo, segundo as análises preliminares.

"Não temos vítimas fatais, mas os cães 'pentearam' [revistaram] os vagões, atendemos 90 passageiros, 30 deles foram transferidos a hospitais, dois deles com traumatismo craniano, que foram levados de helicóptero", disse à imprensa Alberto Crescenti, encarregado do Same.

Os dois feridos em estado grave são um dos maquinistas e uma passageira, de acordo com a imprensa local.

"Por enquanto, não há informação suficiente sobre a mecânica do acidente", afirmou o prefeito de Buenos Aires, Jorge Macri, presente no local.

"Quando chegamos, já estavam transportando os feridos, estavam muito abalados, os que não estavam feridos saíram por seus próprios meios", disse à AFP Facundo Gómez, policial da operação que tentava conter uma perda de combustível em um dos trens.

A empresa Trenes Argentinos informou, em um comunicado, que o acidente aconteceu quando um trem de passageiros com sete vagões "colidiu com uma locomotiva e um vagão de carga vazio" no viaduto Palermo.

"O acidente ocorreu por razões que estão sendo investigadas e, como resultado, o vagão da formação vazia e a locomotiva e o primeiro vagão de passageiros descarrilaram", acrescentou.

O impacto ocorreu em um estreito viaduto próximo a avenidas de grande circulação rodeadas por parques, o que facilitou a evacuação aérea dos dois passageiros gravemente feridos.

"Há dez hospitais que receberam os feridos", indicou o secretário de Transportes, Franco Mogetta, sobre a operação. Segundo as autoridades, não há crianças entre as vítimas.

"Vivos por um milagre"

"Estamos vivos por um milagre", declarou um dos passageiros que, espreitando pela janela do trem, registrou imagens pouco depois do impacto, logo divulgadas nas redes sociais.

O trem havia partido de Pilar, na periferia norte da capital argentina, e levava passageiros até o terminal de Retiro de Buenos Aires.

“Foi muito forte, imagine que no último vagão uma pessoa bateu contra a porta. Ficou muita gente caída no chão. Escutei o estrondo dos dois vagões se chocando, havia muitos feridos”, contou ao canal de televisão TN outra das passageiras, que não se identificou.

Uma das hipóteses investigadas sobre as causas do acidente é uma falha no sistema de sinalização elétrica.

"Há múltiplas hipóteses de como se deu o acidente, há denúncias de roubos de cabos, mas queremos ser prudentes, estamos investigando os avisos e os sinais", disse Mogetta.

O roubo de cabos de alta tensão para a venda do cobre em seu interior é um problema frequente na Argentina, com casos de mortes e ferimentos graves por eletrocutamento.

O titular da Fraternidade, sindicato dos maquinistas, Omar Maturano, denunciou à Radio 10 não só o roubo de cabos, como também também a deterioração das locomotivas e vagões.

"Estão roubando os cabos de sinalização, há dez dias estamos pedindo que sejam consertados, mas não há peças de reposição, há uma degradação total da empresa, não apenas em relação às reposições para sinalização, mas também aos trens e vagões porque não há orçamento", disse.

Segundo Maturano, trata-se de um desfinanciamento da empresa estatal Trens Argentinos que visa "que uma empresa [privada] venha e a compre por um valor menor".

"Não somos a favor da privatização, mas sim de que seja concedida ao capital privado e que coloquem dinheiro na infraestrutura para que os trens funcionem como deveriam e com o número adequado de funcionários", defendeu.

Acompanhe tudo sobre:Argentina

Mais de Mundo

Trump pede apoio de evangélicos nas eleições de novembro

Bombardeio aéreo russo atinge prédio residencial e deixa três mortos e 37 feridos, afirma Ucrânia

Egito quer penalizar empresas turísticas pelas mortes de peregrinos em Meca

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Mais na Exame