Mundo

Greve geral na Argentina suspenderá voos ao país nesta quinta-feira

Central sindical convocou paralisação contra as reformas econômicas de Javier Milei

A Aerolíneas Argentinas confirmou, em nota, que não realizará voos nesta quinta-feira no país (Divulgação)

A Aerolíneas Argentinas confirmou, em nota, que não realizará voos nesta quinta-feira no país (Divulgação)

Publicado em 8 de maio de 2024 às 17h44.

Última atualização em 8 de maio de 2024 às 18h32.

Tudo sobreArgentina
Saiba mais

A principal central sindical da Argentina, a Confederação Geral do Trabalho (CGT), vai realizar mais uma greve geral nesta quinta-feira, 9, contra as políticas reformistas do governo de Javier Milei. Segundo a CGT, a paralisação nacional vai afetar os serviços de educação, saúde, comércio e da rede bancária, além do tráfego aéreo.

A greve vai afetar o funcionamento dos aeroportos, com suspensão de voos nacionais e internacionais. Isso porque a Associação dos Pilotos de Linha Aérea (APLA) manifestou adesão à greve. A estimativa é que pelo menos 700 voos serão cancelados, o que deve afetar 90 mil passageiros.

A Aerolíneas Argentinas confirmou, em nota, que não realizará voos nesta quinta-feira no país. A empresa cancelará 191 voos, o que afetará 24 mil passageiros e gerará custo para a companhia de US$ 2 milhões.

Procurada pela EXAME, a Gol informou que cancelou seus voos de ou para os aeroportos da Argentina nesta quinta-feira. "A ação se deve à greve geral anunciada para o país nesta data, que afetará toda a operação aeroportuária nas cidades em que a companhia opera (Buenos Aires, Córdoba, Mendoza e Rosário), impossibilitando a realização dos voos", disse em comunicado. Os clientes afetados terão os voos remarcados ou poderão solicitar o reembolso integral.

A Latam, que também realiza voos para a Argentina, disse que a sua operação de e para o país do dia 9 também foi cancelada e que, entre as opções possíveis para os clientes, estão a troca da data da passagem sem custos para um dia antes ou sete dias depois e o reembolso integral do valor do bilhete.

A Flybondi orientou os passageiros a acompanhar o status de seus voos para esta quinta-feira pelo site da empresa, e que se o voo foi cancelado ou terá atraso de mais de 4 horas, há a possibilidade de alteração gratuita.

Greve nos transportes

De acordo com o jornal Clarín, nesta quinta-feira também não haverá serviços de metrô, trem ou ônibus a partir da meia-noite. A previsão é que a greve dure 24 horas.

Nesta semana, em comemoração ao Dia do Trabalho, a central sindical se posicionou contra o governo de Milei. Segundo comunicado da CGT, "em nome de uma liberdade de mercado mal compreendida, o governo implementa um ajuste brutal que afeta especialmente as clásses médias assalariadas, pelos aposentados e pensionistas". O texto citou ainda as "negociações conjuntas intervencionistas do ministro da Economia, que impedem o reajuste de salários, causam recessão e aumentos que geram queda nos níveis de atividade econômica e nos índices de consumo bpasico".

Argentina volta a ser destino de investimento estrangeiro após 10 anos fora de ranking global

Por que há greve geral na Argentina?

No dia 1º de maio, milhares de argentinos foram às ruas, passando pela Avenida Independência até o Paseo Colón e chegando ao Monumento Canto al Trabajo, que fica em frente à Faculdade de Engenharia da Universidade de Buenos Aires (UBA). No evento, a greve do dia 9, que já estava marcada há meses, foi confirmada pelos líderes sindicais.

Os protestos desta quinta são realizados poucos dias após a Câmara dos Deputados aprovar o pacote de reformas de Milei. A proposta muda várias regras da economia argentina, inclui reformas trabalhistas e fiscais, e propõe a privatização de empresas estatais. Agora, o texto segue para votação no Senado argentino, onde senadores de esquerda prometem atuar pela rejeição das medidas.

Mais enxuta, a Lei de Bases veio para substituir a Lei 'Ómnibus' já que, para conseguir a aprovação, Milei fez algumas concessões. Agora, o Executivo passa a ter o poder de privatizar boa parte das empresas estatais, de tomar decisões de cunho administrativo, econômico, financeiro e de política energética sem passar pelo Congresso e também passa a ter o poder de reestruturar os órgãos governamentais.

Além disso, o projeto propõe a criação de um período de experiência de seis meses para pessoas recém-contratadas e o fim das multas para empresários que contratam empregados sem registro. Isso significa que, apesar do enxugamento, o novo texto incorpora a reforma trabalhista. Desta vez, no entanto, ela é bem menor, com apenas 17 artigos, ante 60 na antiga proposta. 

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaJavier Milei

Mais de Mundo

Com redução de neve no Himalaia, 25% da população global pode enfrentar escassez de água em 2024

Eleição nos EUA: Anúncio da campanha de Biden chama a atenção para status de criminoso de Trump

Empresas chinesas focam em aumentar vendas com patrocínio na Olimpíada de Paris

Vendas no varejo de bens de consumo social aumentam 3,7% na China

Mais na Exame