• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Dia da Vitória: a estratégia de Putin para não chover na parada militar

O dia 9 de maio é lembrado na Rússia como a vitória da União Soviética sobre a Alemanha Nazista na Segunda Guerra Mundial
Aviões militares: governo russo impede que chova no Dia da Vitória. (Getty Images/ALEXANDER NEMENOV / Colaborador)
Aviões militares: governo russo impede que chova no Dia da Vitória. (Getty Images/ALEXANDER NEMENOV / Colaborador)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 08/05/2022 08:30 | Última atualização em 06/05/2022 17:39Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Nesta segunda-feira, dia 9 de maio, a Rússia comemora o Dia da Vitória, em que marca a derrota da Alemanha Nazista para a União Soviética na Segunda Guerra Mundial. A data é celebrada com uma grande parada militar na Praça Vermelha, no centro de Moscou. Mas todos os anos há um problema que pode atrapalhar o ato: a chuva.

A previsão para o dia é de muita umidade, com a possibilidade de 70% de precipitações, e frio, segundo os serviços meteorológicos. Há alguns anos, o governo russo desenvolveu uma estratégia para impedir a formação de nuvens de chuva durante o feriado O método é controverso, mas aparentemente funciona.

Desde a madrugada do dia anterior ao cortejo militar, a Força Aérea russa envia vários aviões para sobrevoar os céus de Moscou, e joga produtos químicos nas nuvens mais carregadas com neve ou chuva e faz com que elas se afastem da capital russa. Os produtos são lançados a alturas que variam de 3.000 a 8.000 metros.

A tecnologia pode impedir - como também fazer chover mais - em uma determinada região e foi criada ainda na época soviética. Meteorologistas dizem que não há como garantir que este método funcione e que a probabilidade de dar certo é menor que 50%, mas a Rússia utiliza desta ferramenta antes de grandes paradas militares, como o Dia da Vitória.

LEIA TAMBÉM

Alerta apocalíptico

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que enviará um “alerta apocalíptico" ao Ocidente durante a parada militar do Dia da Vitória, segundo a agência Reuters. Espera-se que além dos tradicionais desfiles de tropas, tanques e mísseis, o presidente mostre algum tipo de nova arma que pode ser usada como uma ameaça àqueles que se opõem à invasão na Ucrânia.

Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, o desfile militar incluirá também o sobrevoo de caças supersônicos, bombardeiros estratégicos Tu-160 e o avião de comando Il-80 "doomsday". Ele não aparece no Dia da Vitória desde 2010, e é um dos símbolos do poderio bélico russo, e foi visto nos ensaios do desfile nos últimos dias.

São esperadas 11.000 pessoas, 131 tipos de armas e equipamentos militares, e outras 77 aeronaves. Além de Moscou, o Dia da Vitória vai ocorrer em pelo menos 28 cidades russas.

A celebração da vitória da União Soviética sobre a Alemanha Nazista também será usada para a Rússia mostrar força sobre a guerra na Ucrânia. Autoridades do Ocidente acreditam que Putin poderia usar o feriado para fazer um anúncio sobre o conflito, declarando uma vitória ou aumentando a tensão.

A Alemanha faz parte da aliança ocidental que apoia a Ucrânia, mas o chanceler Olaf Scholz ainda não fez uma visita de solidariedade ao país. Scholz trocou farpas com autoridades ucranianas nas últimas semanas por causa da recusa de Kiev em convidar o chefe de Estado da Alemanha, o presidente Frank-Walter Steinmeier, a quem a Ucrânia acusa de se aproximar da Rússia durante seu tempo como ministro das Relações Exteriores.

(Com Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM