Diáspora venezuelana da Flórida vê Trump como "mal menor"

Apoio venezuelano é um pequeno e novo prêmio na Flórida, um campo de batalha presidencial com 14 milhões de votos em disputa
Venezuelanos: eles deixaram um país dividido por outro país que está tão dividido quanto (Reuters/Carlos Garcia Rawlins)
Venezuelanos: eles deixaram um país dividido por outro país que está tão dividido quanto (Reuters/Carlos Garcia Rawlins)
Por Andrew Rosati e Maria Elena Vizcaino, da BloombergPublicado em 28/09/2020 21:22 | Última atualização em 29/09/2020 22:26Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Venezuelanos partiram para o sul da Flórida e deixaram sua nação turbulenta para trás. Antes de votar pela primeira vez como cidadãos americanos, se deparam com uma decisão difícil: apoiar ou não Donald Trump, o presidente dos EUA que fez maior oposição contra seus ex-algozes, apesar de ter suas próprias qualidades de homem forte.

Maria Paulina Camejo, uma estudante de cinema de 29 anos, emigrou para Miami em 2012 depois que o governo de Hugo Chávez expropriou o banco de seu pai e o prendeu. Ela planeja votar em Trump por causa de suas políticas pró-negócio e atenção à crise da Venezuela. Ela também se preocupa com o comportamento de Trump, que nos últimos dias incluiu repetidas recusas em se comprometer com uma transição pacífica de poder.

“Não é que eu esteja feliz com meu candidato”, disse Camejo. “Muitas vezes eu o vejo na televisão e é como assistir a Chávez: é uma loucura, mas é divertido.”

Apoio

O apoio venezuelano é um pequeno e novo prêmio na Flórida, um campo de batalha presidencial com 14 milhões de votos em disputa que geralmente é decidido por uma margem mínima. Cerca de 238 mil venezuelanos vivem no estado e cerca de 67 mil eram cidadãos naturalizados em 2018, de acordo com o Censo dos EUA. Uma recente pesquisa da Universidade do Norte da Flórida estima que 55 mil deles são eleitores qualificados - e quase 7 em cada 10 apoiam Trump contra o democrata Joe Biden.

Os republicanos tentam torná-los um eleitorado conservador confiável, como os cubanos e os nicaraguenses antes deles, e usar sua energia para motivar essas comunidades.

Ainda assim, o conflito desta eleição lembra a muitos eleitores venezuelanos de onde fugiram. Todos os venezuelano-americanos que falaram concordaram que estão muito melhor nos EUA, mas alguns disseram que a promessa de democracia é frágil.

“Que maldição caiu sobre nós, venezuelanos?” perguntou Daniel di Geronimo, de 29 anos, que tem dupla nacionalidade é gerente de projetos de acampamentos de verão. Ele migrou para Miami de Caracas em 2017.

Embora a corrupção pública nos Estados Unidos e a erosão de suas instituições não possam ser comparadas com as da Venezuela, esses fatores pioraram notavelmente, disse Michael Coppedge, cientista político que é um dos principais investigadores do Varieties for Democracy, ou V-Dem, uma iniciativa que quantifica a saúde de governos representativos.

“Os Estados Unidos avançaram nessa direção, em alguns aspectos, de forma significativa”, disse.

O relatório V-Dem deste ano, que pesquisa milhares de especialistas para avaliar as democracias de seus países, disse que os EUA estão “sofrendo de autocratização substancial”.