Descontentamento cresce entre a elite russa por derrotas na Ucrânia

Grupo ainda é a favor da intervenção, mas está desesperada pelo silêncio do exército, com alguns até apelando à execução de comandantes militares
Cadete militar em frente a um outdoor do exército russo, em 5 de outubro de 2022, em São Petersburgo (AFP/AFP Photo)
Cadete militar em frente a um outdoor do exército russo, em 5 de outubro de 2022, em São Petersburgo (AFP/AFP Photo)
A
AFPPublicado em 06/10/2022 às 09:18.

O acúmulo de derrotas na Ucrânia deu origem a explosões de raiva entre a elite russa, que ainda é a favor da intervenção, mas está desesperada pelo silêncio do exército, com alguns até apelando à execução de comandantes militares.

Até as derrotas de setembro, as críticas públicas ao exército eram raras. E como a ofensiva contra a Ucrânia foi apresentada como uma missão patriótica sagrada, difamar as tropas passou a ser punível com duras penas de prisão.

 Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Embora ninguém da elite russa questione os motivos de Moscou ou o ataque ao país vizinho, as derrotas e fracassos na mobilização de centenas de milhares de reservistas levaram figuras públicas, geralmente dóceis ao poder, a atacar a hierarquia militar.

Na quarta-feira, o chefe do comitê de defesa da Duma, a câmara baixa do Parlamento, pediu aos militares que "parem de mentir" em seus relatórios diários, nos quais alegam infligir enormes perdas às forças ucranianas e não mencionam derrotas.

"Os relatórios do ministério da Defesa não mudam. O povo sabe disso. Nosso povo não é tolo. Isso pode levar a uma perda de credibilidade", disse Andrei Kartapolov no programa de Vladimir Soloviov, apresentador estrela e figura ultrapatriótica na esfera da mídia russa.

Fatalismo

Esse comentarista, sancionado pela União Europeia, não ficou muito atrás e estimou esta semana que alguns comandantes militares russos mereciam acabar diante de um pelotão de fuzilamento.

"Os culpados devem ser punidos, não temos pena de morte, infelizmente, o que para alguns seria a única solução. Eles não têm o senso de honra", disse Soloviov em seu programa.

Outro exemplo é o repórter de guerra do jornal Komsomolskaya Pravda, Alexander Kots. Em seu canal no Telegram, ele disse que "não haverá boas notícias no futuro próximo".

LEIA TAMBÉM: Conheça a jornalista que criticou a Rússia ao vivo e agora é procurada no país

A virulência das declarações de alguns e o sentimento fatalista de outros surpreende por se dar após Vladimir Putin decretar a anexação de quatro regiões ucranianas.

O evento foi celebrado com um grande show na Praça Vermelha de Moscou, onde o chefe do Kremlin inflamou a multidão agitando bandeiras russas: "A vitória será nossa".

As críticas não chegam ao chefe de Estado nem ao seu ministro da Defesa, Serguei Shoigu.

Mas quando o líder da região da Chechênia, Ramzan Kadyrov, atacou os generais russos, pediu o uso de armas nucleares e insinuou que Putin estava mal informado, o Kremlin teve que reagir.

Oposição se reativa

"Em momentos difíceis, as emoções devem ser deixadas de lado (...) Preferimos fazer avaliações ponderadas e objetivas", respondeu Dmitri Peskov, porta-voz da presidência.

Putin reconheceu publicamente "erros" no processo de mobilização diante da avalanche de casos documentados de pessoas incapazes de lutar que foram chamadas para se juntar à frente.

LEIA TAMBÉM: Ucrânia força recuo de tropas russas em 3 províncias anexadas por Putin

Enfraquecida por anos de repressão e a prisão de seu referente Alexei Navalny, a oposição, que opera principalmente do exterior, quer tentar se reestruturar na Rússia e espera capitalizar ou alimentar qualquer possível descontentamento popular.

"Milhões de pessoas ainda estão na Rússia, são reféns de Putin e não querem lutar. Essas pessoas percebem aos poucos que precisam agir", estimou um amigo de Navalny, Leonid Volkov, anunciando no YouTube a reativação do uma rede de ativistas no país.

"Esta luta pode assumir diferentes formas, com diferentes níveis de risco. Podemos divulgar informação, prestar assistência jurídica, fazer voluntariado ou sabotar o trabalho das delegacias militares, algumas das quais queimam muito bem", disse.

LEIA TAMBÉM: Ataques contra Zaporizhzhia deixam dois mortos na Ucrânia