Como dois países que ninguém suspeitava estão vencendo o coronavírus

A Jordânia e a Namíbia desenvolveram estratégias precoces para driblar a doença e hoje têm menos de 2.000 casos da covid-19

Enquanto boa parte do mundo se vê às voltas com aumentos dos casos de coronavírus, dois países têm se destacado no combate à pandemia. Ambos estão em regiões em que a curva ascendente da doença não para de crescer e não dispõem de muitos recursos financeiros. A Jordânia, no Oriente Médio, e a Namíbia, na África, estão conseguindo manter a covid-19 sob controle por meio de um planejamento sério, desenvolvido em conjunto com especialistas, e medidas que incluíram até o fechamento de fronteiras.

Vizinha da Arábia Saudita, em que o número de casos da doença já passa de 268.000, a Jordânia tem sido considerada um exemplo invejável no combate à propagação do vírus. Até agora, o país registra 1.200 pacientes infectados, sendo que mais de 1.000 já se recuperaram, e 11 mortos.

Na Namíbia, que faz fronteira com a África do Sul, onde há mais de 450.000 casos de coronavírus, a situação também permanece sob controle. Menos de 2.000 pessoas contraíram o vírus no país e, até agora, foram registradas menos de dez mortes.

Esses bons resultados vêm se mantendo graças a medidas adotadas precocemente, antes que a pandemia se espalhasse pelo mundo. A Jordânia criou um comitê epidemiológico de combate à doença em janeiro, quando os primeiros casos de coronavírus foram reportados pela China.

O grupo de trabalho, formado por infectologistas, estabeleceu uma série de medidas para controlar o avanço da doença. Em março, todas as fronteiras do país foram fechadas. O comércio e os serviços também pararam de funcionar. O país também adotou a testagem em massa. A economia começou a ser reaberta gradualmente em maio. Até agora, o plano tem funcionado.

A Namíbia desenvolveu uma estratégia semelhante. As viagens internacionais e domésticas de passageiros foram suspensas em meados de março, quando o país tinha apenas dois casos de coronavírus, para evitar grandes deslocamentos e aglomerações de pessoas. As fronteiras também foram fechadas.

Outra medida importante foi a quarentena obrigatória. A fiscalização, feita por policiais, não foi tão difícil, já que o país possui uma das menores densidades do mundo, com apenas três habitantes por quilômetro quadrado. Mesmo assim, a população levou as regras a sério e respeitou as recomendações do governo.

As medidas de quarentena só começaram a ser relaxadas em maio. O governo continua acompanhamento atentamente os indicadores da doença dentro e fora do país – qualquer mudança negativa é avaliada por uma comissão de médicos e representantes do poder público.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.