Mundo

Colômbia: número de mortos em atentado em academia de polícia sobe para 21

Na manhã de quinta-feira, um carro com 80 quilos de explosivos invadiu a academia de polícia Escola General Santander e foi detonado dentro do local

Carro bomba em Bogotá: Nenhum grupo reclamou a autoria do ataque, e as autoridades não revelaram suas hipóteses (Luisa Gonzalez/Reuters)

Carro bomba em Bogotá: Nenhum grupo reclamou a autoria do ataque, e as autoridades não revelaram suas hipóteses (Luisa Gonzalez/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 18 de janeiro de 2019 às 07h50.

Bogotá - O número de mortos no atentado a uma academia de polícia em Bogotá, capital da Colômbia, na manhã da quinta-feira, 17, já chega a 21, e a quantidade de feridos subiu para 68 pessoas.

Às 9h30 da manhã de ontem, um carro com 80 quilos de explosivos invadiu a academia de polícia Escola General Santander e foi detonado dentro do local. O motorista era José Aldemar Rojas Rodríguez, de 57 anos, que morreu na explosão.

Até o momento, ninguém reivindicou a autoria do atentado, segundo a polícia do país. Mas o procurador-geral da Colômbia, Nestor Humberto Martinez, afirmou que o carro foi registrado pela última vez em Arauca, cidade dominada pela guerrilha de esquerda Exército de Libertação Nacional.

O caso

Este “ato terrorista insano não ficará impune, os colombianos jamais se submetem ao terrorismo, sempre o derrotamos, esta não será a exceção”, disse o presidente Iván Duque em declaração à imprensa ao lado do procurador-geral, Néstor Humberto Martínez.

Duas equatorianas estão entre as vítimas, a cadete Erika Chicó, que morreu, e Carolina Sanango, que sofreu ferimentos leves. As autoridades não deram o número exato de militares mortos.

O veículo, que, segundo o MP, tinha passado por uma revisão em julho de 2018 em Arauca (fronteira com a Venezuela), explodiu durante uma cerimônia de promoção de oficiais e cadetes.

“Ouvi como se o céu tivesse caído na minha cabeça. Foi uma explosão muito grande e, quando saí, havia muita fumaça”, disse Rocío Vargas, vizinha do local.

Segundo relatos da polícia, um cão farejador detectou os explosivos. Quando foi descoberto, Rojas acelerou o carro e atropelou um policial. Três militares foram atrás do veículo que, segundos depois, explodiu.

Esse é o pior ato de terror na capital colombiana desde fevereiro de 2003, quando os rebeldes do atual partido Farc detonaram um carro-bomba no clube El Nogal. Trinta e seis pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.

“Não vamos ceder”

Diante do ataque, o presidente Duque precisou voltar às pressas para Bogotá, após cancelar um evento de segurança em Quibdó (noroeste).

“Eu dei a ordem às forças militares e à polícia nacional para mobilizar todas as suas capacidades de inteligência e determinar, em coordenação com o Ministério Público, quem é responsável por este ataque covarde e impedir qualquer ação criminosa”, disse.

Ele também alertou: “Nunca vamos ceder a atos de terror, a Colômbia é firme e não se intimida”.

Duque, que assumiu o cargo em agosto de 2018, tem endurecido a política de combate às drogas no país, maior produtor de cocaína do mundo, e estabeleceu condições para reavivar as negociações de paz com o Exército de Libertação Nacional (ELN), última guerrilha ativa no país.

Nenhum grupo reclamou a autoria do ataque, e as autoridades não revelaram suas hipóteses sobre a autoria intelectual do ato.

Além do ELN – que, no passado, admitiu ataques com explosivos contra a polícia -, também operam no país gangues de narcotráfico de origem paramilitar e dissidências das Farc, que lutam pelo controle territorial em meio a uma espiral de violência seletiva contra líderes sociais, que já deixou 438 mortos desde janeiro de 2016.

Há um ano, a polícia também foi alvo de um ataque a bomba dentro de uma delegacia em Barranquilla. Seis militares morreram e 40 ficaram feridos. Dias depois, o ELN, cuja delegação de paz está em Havana, assumiu a ação.

Solidariedade internacional

Na véspera do ataque desta quinta-feira, um novo grupo de aspirantes a oficiais entrou na escola. Outros, como Jonathan Oviedo, retomaram suas aulas.

“Meu irmão Jonathan, que é cadete, conseguiu falar conosco e nos disse que estava ferido, depois um tenente foi até o telefone e a comunicação foi interrompida. Nos dois anos que ele está na polícia jamais enfrentou uma situação assim”, contou Carol Oviedo.

Uma funcionária da saúde das Forças Armadas disse à imprensa que o veículo invadiu “abruptamente” a academia da polícia.

“Ele entrou abruptamente, quase atropelando os policiais e depois explodiu”, relatou Fanny Contreras.

Enquanto isso, Duque solicitou a colaboração dos colombianos para “desmantelar a estrutura criminosa” que executou o ataque, embora não tenha mencionado nenhuma organização específica.

Do escritório da ONU na Colômbia até os Estados Unidos, passando pelo governo da Venezuela – com o qual Bogotá congelou as relações – e pelas Farc, autoridades do mundo todo condenaram o ato e expressaram solidariedade.

Com cerca de 8 milhões de habitantes, Bogotá foi abalada por atos esporádicos de terror em 2017. Em fevereiro daquele ano, o ELN assumiu a responsabilidade por um ataque a uma patrulha policial que matou um soldado e feriu gravemente vários outros no bairro de Macarena, em Bogotá.

Nesse mesmo ano, um ataque em um centro comercial de Bogotá deixou três mortos e vários feridos. As autoridades acusaram o Movimento Revolucionário do Povo (MRP), um grupo de esquerda.

Acompanhe tudo sobre:BogotáColômbiaViolência urbana

Mais de Mundo

Por que Taylor Swift pode influenciar Banco da Inglaterra na decisão sobre as taxas de juros

Por que o apoio financeiro de Hollywood a Biden pode estar ameaçado

Quantidade de poeira no ar caiu em 2023, diz agência da ONU

'Praticamente nada' impedirá a guerra de Israel em Gaza, diz juíza sul-africana

Mais na Exame