Cidade da Califórnia quer acabar com listas telefônicas

Nova legislação ajuda a reduzir os gastos desnecessários de papel, já que atualmente as listas cairam em desuso

São Paulo - Uma legislação aprovada em São Francisco, nos Estados Unidos, exige que a distribuição de listas telefônicas só ocorra mediante solicitação dos moradores. A medida ajuda a reduzir os gastos desnecessários de papel, já que atualmente as listas dificilmente são usadas.

Uma rápida pesquisa na internet é suficiente para encontrar inúmeras informações, por isso o catálogo de telefone caiu em desuso. Apesar de ser inútil para boa parte das pessoas, muitos municípios insistem em enviar suas listas aos moradores. Foi questionando esta necessidade e com a intenção de reduzir os gastos com papel, que a cidade de São Francisco resolveu bani-las.

A partir de agora, só receberão o catálogo os moradores que solicitarem o serviço, do contrário o setor está proibido de enviar. Espera-se uma grande redução, pois além de não serem sustentáveis, os catálogos também não são práticos. Estima-se que a quantidade de papel gasto por São Francisco é 8,5 vezes maior que o monte Everest. Em Seattle, Washington, uma lei similar entrou em vigor. Ela permite que os moradores cadastrem-se para não receber as listas.

Uma das metas da cidade californiana é acabar com o desperdício até 2020. Outro projeto consiste em recuperar 77% dos resíduos da cidade através de programas de compostagem, reciclagem e reutilização.

São Francisco tem se mostrado uma cidade interessada em ajudar o meio ambiente e promover uma vida mais sustentável. Ela foi a primeira do mundo a proibir a distribuição de sacos plásticos e agora está empenhada em banir os catálogos telefônicos. O setor de telefonia tem até o dia primeiro de maio de 2012 para adequar-se à nova lei.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.