Chefe da Otan rejeita anexação "ilegal e ilegítima" de regiões da Ucrânia

Ao anunciar os referendos, Putin alertou que a Rússia poderá usar todas as ferramentas para defender seu território, em uma referência clara às armas nucleares
Por sua parte, Stoltenberg defendeu que uma guerra nuclear "nunca deve ser travada" (Win McNamee/Getty Images)
Por sua parte, Stoltenberg defendeu que uma guerra nuclear "nunca deve ser travada" (Win McNamee/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 30/09/2022 às 16:07.

Última atualização em 30/09/2022 às 16:19.

O secretário geral da Otan, Jens Stoltenberg, classificou nesta sexta-feira, 30, a anexação de quatro regiões da vizinha Ucrânia pela Rússia como uma operação "ilegal e ilegítima".

"Esta tomada de terras é ilegal e ilegítima. Os aliados da Otan não reconhecem, nem reconhecerão, nenhum desses territórios como parte da Rússia", disse Stoltenberg na sede da aliança militar, em Bruxelas.

Em Moscou, o presidente Vladimir Putin assinou nesta sexta a anexação formal dos territórios de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, e Kherson e Zaporizhzhia, no sul, após referendos realizados há uma semana.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Com isso, os territórios passam a ser considerados pela Rússia como parte de seu próprio território.

Ao anunciar os referendos, Putin alertou que a Rússia poderá usar todas as ferramentas para defender seu território, em uma referência clara às armas nucleares.

Por sua parte, Stoltenberg defendeu que uma guerra nuclear "nunca deve ser travada. E haverá sérias consequências para a Rússia se usar armas nucleares."

"Estamos monitorando de perto o que a Rússia está fazendo. Não vimos nenhuma mudança na postura nuclear. Estamos vigilantes, estamos compartilhando informações. E deixamos bem claro para a Rússia que haverá sérias consequências", insistiu o chefe da Otan.

LEIA TAMBÉM:

EUA chama anexação de territórios ucranianos de "fraudulenta" e anuncia mais sanções

Rússia oficializa anexação de território da Ucrânia