Mundo

"Estamos preparados para governar a França", diz candidato da extrema-direita e líder nas pesquisas

Jordan Bardella é candidato pelo Reagrupamento Nacional (RN) nas eleições para o parlamento do país

Jordan Bardella, de 28 anos, candidato ao parlamento francês pelo partido de extrema-direita Reagrupamento Nacional (RN) (Joel Saget/AFP)

Jordan Bardella, de 28 anos, candidato ao parlamento francês pelo partido de extrema-direita Reagrupamento Nacional (RN) (Joel Saget/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 24 de junho de 2024 às 10h04.

Última atualização em 24 de junho de 2024 às 10h05.

"Nós estamos preparados" para governar a França[/grifar], afirmou nesta segunda-feira, 24, o candidato de extrema direita ao cargo de primeiro-ministro, Jordan Bardella, seis dias antes do primeiro turno das eleições legislativas mais incertas na história recente do país.

Bardella, estrela em ascensão da extrema direita, de apenas 28 anos, foi o grande vencedor das eleições europeias de 9 de junho na França. Seu triunfo contundente levou o presidente centrista Emmanuel Macron a antecipar as eleições legislativas, que estavam previstas para 2027.

"O Reagrupamento Nacional (RN) é atualmente o único movimento que pode implementar (...) as aspirações dos franceses. Em três palavras: Nós estamos preparados", disse Bardella ao apresentar seu programa eleitoral.

O RN e seus aliados lideram as pesquisas para as legislativas com quase 35% das intenções de voto, seguidos pela coalizão de esquerda Nova Frente Popular (NFP) - entre 27% e 29,5% - e a aliança centrista de Macron - por volta de 20%.

Jordan Bardella aspira o cargo de primeiro-ministro caso o seu partido, que tem Marine Le Pen como líder de fato, conquiste a maioria absoluta nas eleições legislativas de 30 de junho e 7 de julho.

O líder da extrema direita reiterou as principais linhas do seu movimento sobre a segurança e o controle da imigração. Também prometeu "big bang de autoridade" nas escolas, ao propor o uso de uniformes e a proibição dos telefones celulares nos centros de ensino.

"Sete anos de 'macronismo' enfraqueceram o país", disse Bardella, que reiterou os planos para expulsar os estrangeiros condenados por crimes e cortar os gastos "que favorecem a imigração".

Para tentar atrair os eleitores de direita descontentes com Macron, o candidato a primeiro-ministro do RN atacou os resultados econômicos do governo de Macron, com dívida e déficit públicos superiores aos limites europeus.

Também criticou o programa da NFP, que para ele provocará o aumento da imigração e uma profunda crise econômica. "A França vai virar a Venezuela, mas sem petróleo", acrescentou.

"Muito vigilante" com a Rússia

Sobre a política internacional, o candidato a primeiro-ministro garantiu que, se chegar ao poder, pretende manter o apoio do país à Ucrânia, mas será contrário ao envio de mísseis de longo alcance e de tropas francesas ao território ucraniano.

Embora os críticos considerem o RN próximo do presidente da Rússia, Vladimir Putin, Bardella garantiu que o seu eventual governo permanecerá "muito vigilante às tentativas de interferência da Rússia", país que considerou uma "ameaça para a França e a Europa".

Ao falar sobre o conflito entre Israel e o movimento islamista Hamas na Faixa de Gaza, ele declarou que "reconhecer hoje um Estado palestino seria reconhecer o terrorismo". A França abriga a principal comunidade judaica da Europa.

Apesar dos temores sobre a chegada da extrema direita ao poder na França, o atual eurodeputado tentou mostrar tranquilidade e se apresentou como o primeiro-ministro de "todos os franceses" e "garantidor das instituições", contra a "desordem e a violência".

Macron, cujo mandato termina em 2027, provocou um terremoto político na França com a antecipação inesperada das eleições, que podem obrigá-lo a compartilhar o poder com um governo de outra tendência política, uma coabitação.

Acompanhe tudo sobre:FrançaEmmanuel MacronEleições

Mais de Mundo

França: pesquisas indicam reviravolta e vitória da esquerda nas eleições legislativas

Avião da Delta faz pouso de emergência nos EUA depois de servir comida mofada

Biden retoma campanha sob pressão cada vez maior

Presidente israelense defende acordo com Hamas que liberte reféns em Gaza

Mais na Exame