Future of Money

Mineração de bitcoin está aquecendo uma cidade inteira na Finlândia

Empresas especializadas em mineração de bitcoin podem comercializar excesso de calor gerado por seus processos e gerar nova fonte de receira

 (Maija Astikainen/Bloomberg/Getty Images)

(Maija Astikainen/Bloomberg/Getty Images)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 24 de junho de 2024 às 09h30.

Tudo sobreBitcoin
Saiba mais

O bitcoin está aquecendo uma cidade inteira na Finlândia graças a um novo projeto da maior empresa de mineração de bitcoin do mundo.

A Marathon Digital Holdings lançou um projeto piloto que usa o calor reciclado da mineração de bitcoin para aquecer as casas de mais de 11.000 residentes.

O projeto piloto de 2 megawatts, localizado na região de Satakunte, foi anunciado em um post no X em 20 de junho:

“Na Finlândia, lançamos um projeto piloto de 2 megawatts para aquecer uma comunidade de 11.000 residentes com calor reciclado da computação de ativos digitais.”

A instalação na Finlândia marca o primeiro projeto piloto baseado em aquecimento distrital da Marathon na área do Euro.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas do BTG Pactual e a curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Mineração de bitcoin: a fonte de aquecimento renovável do futuro?

A nova instalação da Marathon usa um método chamado 'aquecimento distrital', que aquece centralmente a água e a distribui através de uma rede subterrânea de tubos para aquecer as casas.

Isso pode se mostrar um método à prova de futuro para aquecer casas, já que os equipamentos de mineração de bitcoin produzem uma quantidade significativa de calor excessivo.

A Marathon é a maior empresa de mineração de bitcoin do mundo, avaliada em mais de US$ 5,84 bilhões, o que é 33% mais em comparação com a segunda maior empresa, a CleanSpark, que tem uma capitalização de mercado de US$ 4,36 bilhões, de acordo com dados da CompaniesMarketCap.

Em uma escala menor, algumas empresas já estão trabalhando em unidades de aquecimento locais baseadas na mineração de bitcoin para casas. Algumas das soluções mais populares incluem a Heatbit, que é comercializada como uma máquina de aquecimento e purificação de ar “plug-and-play”, que minera bitcoin a 10 TH/s.

Aquecimento é nova fonte de receita para mineradores?

Os mineradores de bitcoin estão procurando maneiras de aumentar sua receita após o halving do bitcoin de 2024 que reduziu as recompensas por bloco de 6,25 BTC para 3,125 BTC.

A Marathon há muito tempo explora outras maneiras de monetizar o calor gerado por suas instalações de mineração de bitcoin e centros de dados, explicou o anúncio em vídeo:

“Este projeto piloto representa um teste inovador na busca da Marathon para desenvolver novas fontes de receita e abordagens estratégicas para alcançar energia de custo zero para a computação de ativos digitais, ao mesmo tempo que oferece novas soluções para a transformação energética do mundo.”

Vender o calor excessivo da mineração de bitcoin pode ser um sustento financeiro significativo para a Marathon, que já opera mais de 11 locais de mineração em todo o mundo e controla 4,8% da taxa de hash da rede bitcoin, de acordo com sua homepage.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas do BTG Pactual e a curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:Mineração de bitcoinBitcoinCriptomoedasCriptoativosFinlândia

Mais de Future of Money

Criptomoedas meme e de IA lideraram mercado cripto no 2º trimestre, mostra relatório

BCE realiza primeiro teste de tokenização de títulos privados com banco

Criptomoedas hoje: apetite ao risco aumenta e um ativo se destaca em meio a recuo generalizado

Pix não teria "ganho efetivo" ao adotar tecnologia do Drex, diz executivo

Mais na Exame