Mundo

Macron dissolve parlamento e convoca novas eleições na França

Decisão acontece após derrota nas eleições do Parlamento Europeu, que aconteceram neste domingo na Europa

Emmanuel Macron, presidente da França: “Decidi devolver-vos a escolha do nosso futuro parlamentar através da votação. Estou, portanto, dissolvendo a Assembleia Nacional.” (Ludovic Marin/AFP/Getty Images)

Emmanuel Macron, presidente da França: “Decidi devolver-vos a escolha do nosso futuro parlamentar através da votação. Estou, portanto, dissolvendo a Assembleia Nacional.” (Ludovic Marin/AFP/Getty Images)

Publicado em 9 de junho de 2024 às 16h56.

Última atualização em 9 de junho de 2024 às 16h57.

O presidente da França, Emmanuel Macron, dissolveu o parlamento francês e convocou novas eleições legislativas neste domingo, 9. A decisão ocorre após a derrota de seu partido nas eleições do Parlamento Europeu para o partido da política populista de direta Marine Le Pen.

Em um pronunciamento em suas redes sociais e no sistema de televisão da França, o presidente francês reconhecu que seu partido não obteve "um bom resultado", com 15,2% dos votos. O partido de Marine Le Pen venceu a eleição do Parlamento Europeu com 31,5% dos votos, de acordo com institutos de pesquisas.

“Não poderei, no final deste dia, agir como se nada tivesse acontecido", disse. "A esta situação soma-se uma febre que tomou conta do debate público e parlamentar no nosso país nos últimos anos".

“Decidi devolver-vos a escolha do nosso futuro parlamentar através da votação. Estou, portanto, dissolvendo a Assembleia Nacional.”

A nova votação acontecerá em dois turnos. O primeiro acontecerá em 30 de junho. Já o segundo, no dia 7 de julho.

“Estamos prontos para assumir o poder se os franceses nos derem a sua confiança nas próximas eleições nacionais”, disse Marine Le Pen durante um comício neste domingo, 9.

Acompanhe tudo sobre:França

Mais de Mundo

Bombardeio aéreo russo atinge prédio residencial e deixa três mortos e 37 feridos, afirma Ucrânia

Egito quer penalizar empresas turísticas pelas mortes de peregrinos em Meca

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Ministro alemão diz que tarifas da UE a carros elétricos chineses não são punitivas

Mais na Exame