Mundo

Bruxelas cria certificado para qualidade dos biocombustíveis

Bruxelas - A Comissão Europeia apresentou nesta quinta-feira um sistema de certificação para determinar que biocombustíveis produzidos na Europa e importados respondam a critérios sustentáveis. A União Europeia (UE) importa 30% dos biocombustíveis que consome, especialmente de Brasil, Guatemala, Nicarágua e Paquistão. Apenas os produtos que permitam redução de 35% das emissões de gases de […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h37.

Bruxelas - A Comissão Europeia apresentou nesta quinta-feira um sistema de certificação para determinar que biocombustíveis produzidos na Europa e importados respondam a critérios sustentáveis.

A União Europeia (UE) importa 30% dos biocombustíveis que consome, especialmente de Brasil, Guatemala, Nicarágua e Paquistão.

Apenas os produtos que permitam redução de 35% das emissões de gases de efeito estufa, comparado com a gasolina ou o diesel, serão levados em conta e poderão receber subvenções - um percentual que aumentará até 50% a partir de 2017.

A iniciativa faz parte do arsenal 'verde' da UE para lutar contra a mudança climática, prevendo que os biocombustíveis representem, até 2020, 10% do consumo total de combustível na Europa.

De concreto, o executivo comunitário conclamou nesta quinta-feira a indústria, os governos e as ONGs a promoverem "testes voluntários" para verificar se a produção de um biocombustível realmente respeitou o meio ambiente.

Não deverão, por exemplo, proceder de campos de cultivo arados em terras onde antes se estendiam florestas, pântanos ou zonas naturais protegidas, para evitar o desmatamento.

Os países europeus que comercializarem biocombustíveis mais contaminantes deverão pagar multa a Bruxelas.

Todos estes requisitos fazem parte da lei europeia de energias renováveis que entrará em vigor em dezembro; o sistema de certificação proposto hoje pela Comissão Europeia será a forma de verificar se estão sendo cumpridos.

De concreto, uma empresa europeia como a British Petroleum (BP) deverá detalhar, por exemplo, como seu biocombustível foi produzido, desde as usinas de açúcar no Brasil até a fábrica de etanol, e como chegou aos postos de gasolina na Europa, ilustraram fontes comunitárias.

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento globalBiocombustíveisClimaCombustíveisEuropaUnião Europeia

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame