• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Brasil lança certificação sustentável para calçados

Abicalçados e Assintecal lançam o programa Origem Sustentável, que avalia o grau de comprometimento das empresas do setor calçadista com a sustentabilidade

	Calçados: avaliação é feita com base em 52 diferentes critérios, agrupados em quatro pilares: cultural, ambiental, social e econômico.
 (practicalowl/Creative Commons)
Calçados: avaliação é feita com base em 52 diferentes critérios, agrupados em quatro pilares: cultural, ambiental, social e econômico. (practicalowl/Creative Commons)
Por Débora SpitzcovskyPublicado em 17/01/2013 15:56 | Última atualização em 17/01/2013 15:56Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) e a Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couros, Calçados e Artefatos (Assintecal) lançaram nesta quarta-feira (16), em São Paulo, durante o evento de moda InspiraMais, a primeira certificação sustentável do Brasil para calçados.

Batizada de Origem Sustentável, a iniciativa - que conta com a parceria da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) - pretende avaliar o grau de comprometimento das empresas do setor coureiro calçadista com a sustentabilidade, com base em 52 diferentes critérios, agrupados em quatro pilares: cultural, ambiental, social e econômico.

"Analisamos a atuação da empresa desde o momento da compra da matéria-prima até a hora da entrega do produto final, levando em conta quesitos como gasto de energia, nível de poluição, consumo de água, descarte de resíduos, legislação trabalhista, não utilização de substâncias tóxicas e relação com funcionários e comunidade do entorno", explica Valdemar Masselli Jr., vice-presidente de Inovação e Sustentabilidade da Assintecal.


O programa de certificação, que é auditado pela System & Service Certification (SGS) e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), possui cinco diferentes selos: 

- branco, concedido às empresas que demonstram interesse em participar do programa;
- bronze, dado às companhias que relatam suas iniciativas ao programa, demonstrando transparência;
- prata, para marcas que acompanham a média do mercado nacional, quando o assunto é o comprometimento com a sustentabilidade;
- ouro, para as empresas que superam a média brasileira e
- diamante, concedido às companhias que acompanham ou superam a média do mercado internacional.

Por enquanto12 empresas brasileiras possuem a certificação Origem Sustentável: três delas são fabricantes de calçados - Piccadilly, Calçados Bibi e Dian Patris -, enquanto as outras produzem componentes para o setor - Killing, FCC, Prisma, Endutex, Dublauto Gaúcha, Jotaclass, JR Dublagens, Cipatex e MK Química. Todas elas receberam o selo bronze, "mas a maioria está pleiteando o prata", conta Masselli.

Qualquer marca do setor coureiro calçadista interessada em se submeter ao programa de certificação pode procurar a Abicalçados ou a Assintecal. A única exigência para participar da iniciativa é ser associado a uma das duas instituições. "Queremos incentivar nas empresas o compromisso de gerenciar e melhorar seus resultados. O conceito de calçado sustentável, com certeza, ampliará as oportunidades no mercado internacional e dará maior competitividade às marcas. A Europa, por exemplo, não aceita mais o ingresso de determinados produtos em seu território", explica Marcelo Nicolau, presidente da Assintecal.

Por enquanto, para se manter atualizado a respeito de quais empresas estão participando da iniciativa, consumidores e stakeholders devem procurar as associações envolvidas no programa. "Mas, no futuro, queremos desenvolver uma identidade visual que informe, na hora da compra, a participação da marca no Origem Sustentável e seu grau de comprometimento com a sustentabilidade", diz Masselli.