Mundo

Avião que caiu no Egito tinha 18 anos e 56 mil horas de voo

Airbus A321-200, que caiu neste sábado na Península do Sinai com 224 pessoas a bordo, foi fabricado em 1997 e já tinha feito quase 21 mil viagens


	Airbus A321-200: avião que caiu no Egito foi fabricado em 1997 e já tinha feito quase 21 mil viagens
 (REUTERS/Kim Philipp Piskol)

Airbus A321-200: avião que caiu no Egito foi fabricado em 1997 e já tinha feito quase 21 mil viagens (REUTERS/Kim Philipp Piskol)

DR

Da Redação

Publicado em 31 de outubro de 2015 às 11h10.

Paris - O Airbus A321-200 que caiu neste sábado na Península do Sinai com 224 pessoas a bordo foi fabricado em 1997 e acumulava 56 mil horas de voo em quase 21 mil viagens, informou a companhia aeronáutica europeia.

Em comunicado, a Airbus prestou condolências às pessoas afetadas por "este trágico acidente" com a aeronave, que desde 2012 era operada pela companhia russa Metrojet.

"A Airbus lamenta confirmar que um A321-200 operado pela Metrojet esteve envolvido em um acidente pouco depois das 6h17 (hora local, 2h17 de Brasília) sobre a Península do Sinai hoje. A aeronave operava um serviço programado, o voo 7K-9268, de Sharm el-Sheikh (Egito) a São Petersburgo (Rússia)", diz a nota.

O conglomerado informou que uma equipe de assessores técnicos está preparada para "fornecer assistência técnica completa à Agência de Investigação Francesa (BEA) e às autoridades a cargo da investigação".

A Airbus, que anunciou que dará mais informações quando forem confirmados os detalhes do incidente e quando as autoridades permitirem, explicou que o A321-200 é o maior modelo da família A320, de um corredor.

O primeiro A321 entrou em serviço em janeiro de 1994, e no final de setembro de 2015 havia 6.500 aeronaves da família A320 em serviço no mundo todo. 

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-aviaoÁfricaÁsiaAviõesEgitoEuropaMortesRússiaTransportesVeículos

Mais de Mundo

Beryl se fortalecerá antes de impactar nordeste do México e costa do Texas

França vive dia de reflexão antes de eleições cruciais

Moulin Rouge recupera as pás de seu famoso moinho antes dos Jogos Olímpicos

Guerra entre Israel e Hamas prossegue em Gaza à espera de novas negociações

Mais na Exame