Mundo

Auvião: conheça a primeira empresa aérea com voos só para pets

Os aviões serão configurados para acomodar 10 cães com seus donos

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 12 de abril de 2024 às 07h38.

A Bark, empresa conhecida por vender sacolas de brindes para cães, estão lançando uma experiência de voo de luxo para os amigos de pelo.

Inicialmente, a Bark Air comercializará duas rotas, conectando a região metropolitana de Nova York com áreas de Los Angeles e Londres.

Os voos serão operados semanalmente a partir de 23 de maio entre o Aeroporto de Teterboro, no norte de Nova Jersey, e o Aeroporto de Van Nuys, próximo a Los Angeles. Os voos entre Teterboro e o Aeroporto Stansted de Londres partirão duas vezes por mês.

Os aviões serão configurados para acomodar 10 cães com seus acompanhantes humanos. Os cães terão que ficar no colo ou com coleira durante a viagem,, mas poderão se movimentar livremente. Os cães poderão mesmo se esparramar em sofás ou compartilhar um assento grande com seu dono.

yt thumbnail

"Com brinquedos, cobertores e bebidas para cães os cachorros podem cochilar, brincar, latir ou implorar por massagens na barriga à vontade", disse a empresa em nota.

Entre lanches e bebidas, estarão petiscos de carne e nozes, bem como uma bebida que a Bark Air está chamando de "champanhe para cães".

Os voos já estão disponíveis para reserva no site DogsFlyFirst.com, embora não sejam baratos. Uma viagem só de ida pela rota New Jersey-Los Angeles custará inicialmente US$ 6.000, enquanto uma viagem de ida de New Jersey para Londres custará US$ 8.000.

Após a reserva, a Bark Air entrará em contato com o proprietário do cachorro para coletar detalhes sobre o tamanho, alergias e preferências de socialização de cada animal. .

Acompanhe tudo sobre:Cachorros

Mais de Mundo

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Vaticano alerta contra episódios imaginários relacionados a milagres e aparições

Governo Biden quer reclassificar maconha como droga de menor risco

Mais na Exame