Mundo

Cachorro de Biden mordeu agentes do serviço secreto 24 vezes

Um agente sênior observou que as mordidas fizeram com que o Serviço Secreto mudasse de tática

Joe Biden: cachorro da família do presidente deixou a Casa Branca no ano passado.

Joe Biden: cachorro da família do presidente deixou a Casa Branca no ano passado.

Publicado em 23 de fevereiro de 2024 às 09h38.

O cão do presidente Joe Biden, Commander, mordeu agentes do Serviço Secreto dos EUA em pelo menos 24 ocasiões, mostram documentos. Um agente sênior observou que as mordidas fizeram com que o Serviço Secreto mudasse de tática, aconselhando os agentes a "dar muito espaço" ao animal.

Um agente sênior não identificado em um e-mail aconselhou que agentes protegendo o Sr. Biden e sua família "devem ser criativos para garantir nossa própria segurança pessoal".

"As recentes mordidas de cachorro nos desafiaram a ajustar nossas táticas operacionais quando Commander está presente - por favor, dê muito espaço (mantendo-se a uma distância da característica do terreno se possível)", escreveu o agente.

Os documentos foram revelados por meio de pedidos de Liberdade de Informação e postados online. Eles foram fortemente censurados para proteger a identidade dos agentes do Serviço Secreto e o sigilo de suas táticas de segurança.

Foram registrados pelo menos 24 incidentes de mordida entre outubro de 2022 e julho de 2023, com membros do Serviço Secreto sendo mordidos no pulso, antebraço, cotovelo, cintura, peito, coxa e ombro.

Os documentos não necessariamente registram todos os incidentes de mordida relacionados a Commander, pois cobrem apenas o Serviço Secreto e não outros que trabalham na Casa Branca.

O animal de estimação da família Biden deixou a Casa Branca em outubro do ano passado, uma semana depois que um agente do Serviço Secreto precisou de tratamento médico por uma mordida grave.

Um incidente anterior em junho resultou em uma "mordida profunda" no antebraço de um agente, que precisou de pontos. Sangue no chão em uma área da Casa Branca fez com que os passeios pela Ala Leste do prédio fossem suspensos por 20 minutos, de acordo com um documento.

Em julho, outro agente foi mordido na mão e precisou de seis pontos. A mordida causou uma "ferida aberta profunda grave" e o agente "começou a perder uma quantidade significativa de sangue", segundo um e-mail.

Este agente recebeu um "pequeno pacote de cuidados" dos colegas como presente, incluindo analgésicos, pomada antibiótica, spray de pimenta, focinheira e biscoitos para cachorro "por motivos de segurança".

Uma declaração à CNN do gabinete da primeira-dama Jill Biden disse que eles tentaram várias medidas para resolver o problema, mas desistiram no outono e o enviaram para morar com parentes.

"Apesar do treinamento adicional do cão, colocação de coleira, trabalho com veterinários e consulta com comportamentalistas de animais, o ambiente da Casa Branca simplesmente foi demais para Commander", disse a declaração.

Outro cão da família, Major, feriu um agente do Serviço Secreto em 2021 e foi enviado para morar em Delaware.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Joe Biden

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame