Ataque com carro-bomba deixa ao menos 90 mortos na capital da Somália

Nenhum grupo terrorista reivindicou ainda a responsabilidade pelo ataque perto de um posto de controle na conexão de Mogadíscio com a cidade de Afgooye

Mogadíscio – A explosão de um carro-bomba em um posto de controle em Mogadíscio, na conexão entre a capital da Somália e a cidade de Afgooye, deixou ao menos 92 mortos e 128 feridos neste sábado.

Os novos números foram informados à Agência Efe por Nasra Ali, médico do Hospital Medina, que advertiu que muitos dos feridos estão morrendo devido à escassez de bolsas de sangue.

Entre os mortos estão 17 estudantes da universidade privada de Benadir, que passavam pelo local de micro-ônibus no momento do incidente.

Também morreram dois engenheiros turcos que trabalhavam na empresa encarregada das obras na estrada, segundo confirmou a Embaixada da Turquia.

“Nossa ambulância chegou logo. Encontramos corpos espalhados e pessoas feridas. Alguns dos corpos tinham sido queimados vivos”, relatou Abshir Mohamed Amina, um dos médicos do serviço de emergência.

O ataque ocorreu às 8h (hora local; 2h em Brasília), um horário de pico, quando um suposto suicida explodiu uma minivan perto de um posto de controle de segurança no cruzamento por onde passam veículos que saem e entram em Mogadíscio procedentes de Afgooye.

Dezenas de famílias continuam aguardando fora dos hospitais Erdogan, Medina e da clínica Kalkaal para saber o estado de saúde dos parentes. As autoridades de saúde já solicitaram que a população doe sangue.

“Foi pedido para que outros pacientes, parentes e até mesmo médicos, enfermeiras e profissionais do hospital doem sangue urgentemente para ajudar as vítimas. A situação é ruim”, comentou Yahye Ismail, médica do Hospital Erdogan.

“Não me lembro de uma tragédia semelhante desde o ataque de Zoobe (em Mogadíscio)”, comentou Amina, em alusão ao atentado com caminhões-bombas em um mercado na capital que deixou 587 mortos em 14 de outubro de 2017.

Com o número de mortes atual, o atentado deste sábado é o terceiro mais fatal da história de Mogadíscio, superado apenas pelo de Zoobe e pela explosão de um terrorista suicida do Al Shabab que matou mais de cem pessoas em outubro de 2011.

“Envio minhas mais profundas condolências às famílias e amigos que perderam entes queridos. É claro que os terroristas não deixarão (tranquila) nenhuma pessoa neste país. Eles são nossos inimigos e nós temos que nos concentrar em eliminá-los”, disse o presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Farmajo, em entrevista coletiva.

Nenhum grupo terrorista reivindicou ainda a responsabilidade por este ataque, embora o grupo jihadista Al Shabab – que ataca frequentemente os agentes de segurança nos postos de controle – tenha sido contra a construção desta estrada.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.