Ajuda demora para chegar, diz ONU sobre Filipinas

Prefeito de Tacloban disse que cidade está repleta de cadáveres

Manila - Após uma visita à cidade de Tacloban, a mais atingida pelo supertufão Haiyan nas Filipinas, a chefe de operações humanitárias da Organização das Nações Unidas (ONU), Valerie Amos, afirmou que a situação no município é "lúgubre" e que o mundo não está sendo capaz de ajudar mais rapidamente. "Eu tenho a sensação que abandonamos pessoas que têm uma desesperada necessidade de ajuda", disse.

Amos acrescentou que espera que nas próximas 48 horas seja possível acelerar a distribuição dos pacotes de auxílio enviados por países e entidades. "Essa é a nossa prioridade", declarou. Já o prefeito de Tacloban, Alfred Romuáldez, contou que a cidade ainda tem tantos cadáveres e em tantos lugares que a situação assusta.

"As autoridades locais precisam de mais homens e mais recursos. Não podemos usar um caminhão para transportar corpos de manhã e utilizar o mesmo para distribuir comida de tarde", explicou.

A última nação a disponibilizar ajuda para as Filipinas foi a Alemanha, que ofereceu 4,5 milhões de euros (R$ 14 milhões) para intervenções humanitárias. O ministro das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, também garantiu que o país vai apoiar a reconstrução das zonas afetadas pelo tufão.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também