• AALR3 R$ 20,02 -0.25
  • AAPL34 R$ 70,10 2.46
  • ABCB4 R$ 16,71 0.30
  • ABEV3 R$ 14,22 0.07
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,89 -0.27
  • AGRO3 R$ 31,69 0.80
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,37 2.76
  • ALUP11 R$ 26,53 0.11
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 32,04 -0.96
  • AMER3 R$ 21,45 -0.23
  • AMZO34 R$ 3,43 1.48
  • ANIM3 R$ 5,48 -1.26
  • ARZZ3 R$ 82,96 2.08
  • ASAI3 R$ 15,89 -1.24
  • AZUL4 R$ 21,00 0.24
  • B3SA3 R$ 12,84 3.46
  • BBAS3 R$ 37,10 -0.96
  • AALR3 R$ 20,02 -0.25
  • AAPL34 R$ 70,10 2.46
  • ABCB4 R$ 16,71 0.30
  • ABEV3 R$ 14,22 0.07
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,89 -0.27
  • AGRO3 R$ 31,69 0.80
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,37 2.76
  • ALUP11 R$ 26,53 0.11
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 32,04 -0.96
  • AMER3 R$ 21,45 -0.23
  • AMZO34 R$ 3,43 1.48
  • ANIM3 R$ 5,48 -1.26
  • ARZZ3 R$ 82,96 2.08
  • ASAI3 R$ 15,89 -1.24
  • AZUL4 R$ 21,00 0.24
  • B3SA3 R$ 12,84 3.46
  • BBAS3 R$ 37,10 -0.96
Abra sua conta no BTG

5 anos após o terremoto que devastou o Haiti — em imagens

Cinco anos após a catástrofe natural, o país ainda luta para se recuperar e seus problemas estão longe de serem resolvidos
Haiti: um longo caminho para a reconstrução (Getty Images)
Haiti: um longo caminho para a reconstrução (Getty Images)
Por Vanessa BarbosaPublicado em 12/01/2015 15:40 | Última atualização em 12/01/2015 15:40Tempo de Leitura: 7 min de leitura

São Paulo - Na madrugada de 12 de janeiro de 2010, um devastador terremoto atingiu o Haiti, matando pelo menos 250 mil pessoas e deixando mais de um milhão de desabrigados.

Cinco anos após a catástrofe natural, o país ainda luta para se recuperar e seus problemas estão longe de serem resolvidos.

Centenas de milhares de pessoas ainda vivem em tendas erguidas pelas Nações Unidas logo após o tremor.

Outras “reconstruíram” suas casas de maneira improvisada, nos mesmos lugares em que viviam antes da tragédia, usando lonas e placas de metal no lugar de cimento e tijolo.

O acesso a serviços básicos continua precário. Muitas regiões sofrem com falta de água encanada, saneamento adequado, postos de saúde e escolas. Condições insalubres deram origem a um surto de cólera, que já matou mais de 8,5 mil pessoas em todo o país desde 2010.

Pelas ruas centrais, ainda é possível encontrar escombros daquele janeiro fatídico, como as ruínas da Catedral de Nossa Senhora da Assunção, a principal de Porto Príncipe, capital haitiana e epicentro do terremoto. A maior parte dos edifícios oficiais também aguarda reconstrução, incluindo o prédio do governo.

De acordo com a AP, o Haiti já recebeu pelo menos 80% dos 12,4 bilhões de dólares prometidos por países e agências internacionais como ajuda humanitária para reconstrução e alívio da divida.

Grande parte desses recursos, observa a agência, foi canalizado por empreiteiras e grupos humanitários e não diretamente pelo governo do Haiti.

Enquanto aguarda a plena reconstrução, o Haiti carrega o fardo de uma nação profundamente pobre, com cerca de 60% de seus 10,4 milhões de habitantes vivendo abaixo da linha nacional de pobreza, de pouco mais de dois dólares por dia.