Marketing

F1: Conheça o hotel de luxo em SP onde os pilotos vão se hospedar

Durante o GPSP, valor da diária no Palácio Tangará, que gira em torno de R$ 2,8 mil, sobe para R$ 4 mil

Pátio do Palácio Tangará. (Divulgação/Divulgação)

Pátio do Palácio Tangará. (Divulgação/Divulgação)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 1 de novembro de 2023 às 15h14.

Última atualização em 18 de janeiro de 2024 às 16h46.

A cidade de São Paulo recebe, entre os dias 3 e 5 de novembro, mais uma edição do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, no Autódromo de Interlagos, e o Palácio Tangará, hotel 5 estrelas localizado na região do Panamby, foi o escolhido para hospedar a maioria dos pilotos da competição.

Nesta temporada, dez equipes participam da principal categoria do automobilismo mundial, sendo que cada uma é representada por dois pilotos. Dos 20 participantes do grid, 18 já estão hospedados no hotel — que não revela nomes.

Desde a sua inauguração, em 2017, o Tangará recebe corredores da F1. No ano passado, Lewis Hamilton, Max Verstappen, Valtteri Bottas e Charles Leclerc foram alguns dos pilotos que estiveram no hotel.

Palácio Tangará: uma das piscinas mais instagramáveis da cidade (Divulgação/Divulgação)

Além disso, 100% das reservas durante a semana do Grand Prix são focadas no evento — e feitas com no mínimo um ano de antecedência. No período, a diária comum que normalmente gira em torno de R$ 2,8 mil sobe para R$ 4 mil. Já a suíte Royal, por exemplo, que tem 530 m² de área privativa, sendo 253 m² de varanda, custa R$ 40 mil, em dias normais.

Segundo comunicado do Tangará, a segurança será reforçada em todas as áreas. O espaço ainda vai receber três simuladores, sendo dois de F1 e um de kart, os quais estarão à disposição dos hóspedes, na área externa do restaurante Pateo do Palácio.

No lobby, foram colocadas três réplicas de carros históricos da F1: Lotus 97T (1985) e McLaren MP4/4 (1988), ambos pilotados por Ayrton Senna, e a Mercedes-Benz W196 (1954), do argentino Juan Manuel Fangio.

Como é o hotel dos pilotos da F1 em SP?

Inaugurado em 2017, e envolto pelo Parque Burle Marx, na região do Panamby, na capital paulista, o Palácio Tangará soma 141 espaçosos apartamentos, sendo 59 suítes, todos voltados para a vegetação típica da Mata Atlântica. Os mais disputados estão voltados para a piscina, das mais instagramáveis da cidade.

Depois que se cruza o lobby, decorado pela arquiteta Patricia Anastassiadis, todas as atenções se voltam para a monumental piscina externa — há uma segunda, coberta, com fundo de mármore. O hotel também conta com salas de eventos, spa e centro fitness.

Um dos dois restaurantes do Tangará descortina a mesma vista, a da piscina. Falamos do Pateo do Palácio, que vive lotado e serve pratos como mexilhões ao creme de açafrão e risoto de vieiras com couve-flor e alcachofra.

O restaurante principal — considerado na lista de 100 Melhores do Brasil — leva a assinatura do chef francês Jean-Georges Vongerichten, que incluiu no menu iguarias como carpaccio de wagyu. Entre os pratos principais há magret de pato grelhado e risoto de lagostim.

Sunday Brunch do Palácio Tangará

Luxuoso brunch que custa R$ 420 por pessoa (Palácio Tangará/Divulgação)

Para os 'hóspedes pets' também há mimos que surpreendem, como caminha no mesmo padrão do quarto, lençol bordado com o nome, potes em cerâmica e tapete higiênico, que têm piso antialérgico para receber os animais. A refeição também é especial e pode ser servida no quarto ou na área externa do restaurante e é composta de duas opções de proteínas grelhadas, legumes ao vapor e arroz, por R$ 40. O valor da estadia pet é de R$ 350.

Palácio Tangará. (Divulgação/Divulgação)

Acompanhe tudo sobre:Fórmula 1Pilotos de corridaHotelariaGP São Paulo

Mais de Marketing

Investimento em mídia cresce 23% e alcança R$ 4,5 bilhões

Adeus, Big Mac? McDonald's não vai mais poder usar nome na Europa; entenda

Bacio di Latte lança mini bombom de sorvete no pote

Com alta do uísque, dona da Jim Beam fatura R$ 29 bilhões e anuncia novo nome

Mais na Exame