Acompanhe:

O mundo corporativo ganhou um aliado em relação ao pagamento dos benefícios do trabalhador CLT: o FGTS digital. A plataforma entra em operação a partir desta sexta-feira, 1, e é uma iniciativa do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), da Caixa Econômica Federal, Serpro, Ministério da Gestão e Inovação (MGI) e Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

O objetivo do FGTS Digital é ser uma ferramenta que facilite a gestão do benefício ao integrar todos os processos referentes ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o eSocial. Do lado dos trabalhadores, haverá mudanças que tornam as informações mais transparentes, além de benefícios relacionados a empréstimos consignados, somado a extinção de algumas burocracias que dificultavam na hora do depósito e acesso aos valores (como o número de PIS ou a chave para o saque da rescisão).

Já na parte dos empregadores, a consulta às informações dos beneficiários, a emissão de guias e o pagamento dos valores ficarão mais simples. A consequência é a redução das horas gastas para realizar todos os trâmites. Para o governo, a fiscalização, apuração e arrecadação também fica mais rápida, segura e eficaz, além da economia de custos operacionais.

“Estima-se que com o FGTS Digital os empregadores irão economizar 36 horas/mês em tempo gasto com rotinas para fazer o recolhimento do FGTS. Além do mais, o novo sistema proporcionará uma redução de custo operacionais incorridos pelo Fundo de aproximadamente R$ 144 milhões por ano”, destacou o ministro Luiz Marinho durante o lançamento da plataforma nesta semana.

Fim do PIS?

Na prática, alguns pontos-chaves irão facilitar o dia a dia do trabalhador. O número do Programa de Integração Social (PIS) será substituído pelo número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) como identificador único do trabalhador. O objetivo dessa mudança, segundo o governo, era porque um mesmo trabalhador podia possuir mais de um número PIS. Por conta disso, diversas inconsistências poderiam afetar o recolhimento dos valores.

Como explica Marcos Piellusch, professor da FIA Business School, este pode ser o primeiro passo para uma substituição total do PIS, o que poderia trazer diversos benefícios em relação às burocracias. No entanto, ele enfatiza que o PIS ainda é usado para o recolhimento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Fraudes nos depósitos poderão ser evitadas

Até o momento, para as empresas depositarem o FGTS, era necessário emitir uma guia de recolhimento mensal gerada pelo Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (SEFIP). Agora, as empresas poderão emitir a guia através do próprio FGTS Digital.

Esta guia, por sua vez, terá um QR Code com uma chave-pix para as empresas realizarem o pagamento. Isso, segundo Piellusch, é muito benéfico pois pode evitar erros durante os depósitos, além de pagamentos duplicados e fraudes.

“Sem dúvidas que tinham fraudes. Na hora que a empresa emitia a guia, ela podia alterar o valor. Agora o pagamento é por PIX, então não tem como mudar. Ou pagamento em duplicidade, porque agora a empresa nem conseguirá pagar duas vezes, porque aquela chave PIX já vai ter sido usada.”

Facilidade para aquisição de empréstimo consignado

Na quarta-feira, 28, Carlos Vieira, presidente da Caixa Econômica Federal, citou outra ferramenta que o FGTS Digital proporcionará chamada e-consignado. Segundo a autoridade, o objetivo é facilitar a contratação de empréstimos consignados para trabalhadores do setor privado, reduzindo a intermediação entre bancos e trabalhadores.

O benefício desse projeto é que o trabalhador poderá escolher qual a instituição financeira em que deseja tomar o empréstimo, de acordo com a taxa oferecida e o prazo de pagamento. Até o momento, só era possível contratar a operação com o banco no qual a empresa tem convênio pré-acordado.

“O Ministério menciona que vai haver a possibilidade de fazer um empréstimo consignado, que hoje é intermediado pelo empregador, diretamente com a fonte e ela vai usar a base salarial como uma referência para isso. Isso vai facilitar muito a tomada de empréstimos pelo empregado. No geral, acredito que o FGTS Digital vem para trazer um novo momento de burocracia para o sistema do FGTS”, diz Leticia Murakawa, economista e diretora de negócios da keeggo, consultoria de tecnologia.

Fim da chave para saque de rescisão

Antes do FGTS Digital, quando um contrato entre funcionário e empresa se encerrava, o empregador precisava gerar uma chave (sequência numérica) para o empregado levar até uma agência da Caixa e liberar o saque rescisão. Agora, com a automatização das informações, as mudanças cadastrais ou contratuais do trabalhador registradas no eSocial já servirão para liberar o saque do FGTS, sem a necessidade da chave.

Confira as últimas notícias de Invest:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Como consultar o abono salarial do PIS/Pasep 2024? Confira
seloMinhas Finanças

Como consultar o abono salarial do PIS/Pasep 2024? Confira

Há 2 dias

Calendário abono salarial PIS/Pasep 2024 é divulgado; veja datas de pagamento
seloMinhas Finanças

Calendário abono salarial PIS/Pasep 2024 é divulgado; veja datas de pagamento

Há 2 dias

PIS 2024: quem trabalhou em 2023 tem direito ao abono salarial este ano?
seloMinhas Finanças

PIS 2024: quem trabalhou em 2023 tem direito ao abono salarial este ano?

Há 2 dias

Governo federal propõe que FGTS seja corrigido, no mínimo, pela inflação
Economia

Governo federal propõe que FGTS seja corrigido, no mínimo, pela inflação

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais