Acompanhe:

Wiz (WIZS3) tem alta de 163,9% no lucro líquido do 3T22

A empresa também anunciou a compra da Promotiva, conquistando assim um contrato com o Banco do Brasil por cinco anos

O CEO da Wiz (WIZS3), Heverton Peixoto (WIZ/Exame)

O CEO da Wiz (WIZS3), Heverton Peixoto (WIZ/Exame)

C
Carlo Cauti

10 de novembro de 2022, 21h00

A Wiz (WIZS3) divulgou nesta quinta-feira, 10, os resultados do terceiro trimestre de 2022. 

A receita líquida da Wiz subiu 23,6%, passando de R$ 154,3 milhões no terceiro trimestre de 2021 para R$ 190,8 milhões no mesmo período desse ano.

No acumulado do ano, a Receita Bruta da Wiz foi é de R$ 762 milhões, cerca de 76% do teto do guidance divulgado no ano passado pela companhia, com intervalo esperado entre R$ 920 milhões a R$ 1 bilhão de Receita Bruta em 2022.

"Estamos muito otimistas para atingir a marca de R$ um bilhão na receita, mas estamos ainda mais otimistas com o crescimento do ano que vem. Temos o desafio de manter a rentabilidade histórica, pois estamos trocando por negócios ainda não maduros, que têm menor margem inicial e que vão demorar ainda um tempo para amadurecer em termos de margens", salientou o CEO da Wiz, Heverton Peixoto, em entrevista à EXAME Invest.

O lucro líquido foi de R$ 68,2 milhões, em alta de 163,9% em relação ao mesmo período de 2021, quando tinha sido de R$ 25,8 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 140,3 milhões, em alta de 116% em relação ao mesmo período de 2021, quando tinha sido de R$ 64,9 milhões.

A margem Ebitda foi de 70,5%, alta de 28 pontos percentuais em relação ao 42,5% do mesmo período do ano passado.

“Apesar do contexto desfavorável da economia brasileira, Wiz segue a trajetória de crescimento, com as novas operações consolidadas e gerando caixa para o Conglomerado. Estamos muito próximos de alcançar o teto do nosso objetivo de atingir Receita Bruta de R$ 1 bilhão pela primeira vez, em mais de 49 anos de história”, disse Peixoto.

O executivo lembrou que essa foi a primeira comparação trimestral sem os resultados oriundos do acordo com a Caixa Econômica Federal. "Finalmente estamos comparando as mesmas coisas, isso tem um efeito não operacional nesse trimestre, e tudo isso ajudou nessa comparação", explicou o executivo, salientando como o desafio para a empresa agora manter o fluxo de dividendo e lucro liquido elevado.

Além disso, Peixoto não descartou possíveis acordos ou fusões e aquisições no futuro. "A máquina das joint-ventures está ligada", disse.

Wiz (WIZS3) compra Promotiva

No mesmo dia da divulgação dos resultados a Wiz anunciou a compra de 100% da Promotiva, empresa do grupo Banco BV, responsável pela gestão de grupos de correspondentes bancários que fazem parte da Rede Mais do Banco do brasil e comercializam crédito e outros produtos e serviços do banco.

Em 2022, a Promotiva foi responsável pelo desembolso de R$ 10,9 bilhões em crédito a Pessoa Física em mais de três mil municípios espalhados em todo o Brasil. A aquisição ainda deve ser confirmada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

"A compra da Promotiva assegura ao conglomerado Wiz a atuação na oferta de Crédito Pessoa Física, conta corrente e cartão do BB por meio da gestão de parte da rede de correspondentes do Banco do Brasil nos próximos 5 anos", explicou o CEO da Wiz em entrevista à EXAME Invest.