Acompanhe:

O recado do BB após melhor resultado do setor bancário: “Sabemos o que estamos fazendo”

Banco do Brasil apresentou maior lucro e rentabilidade entre os pares; investidores seguem cautelosos e ações caem

Modo escuro

Continua após a publicidade
Presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, e diretores do banco em coletiva de resultados do quarto trimestre de 2023 (Banco do Brasil/Divulgação)

Presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, e diretores do banco em coletiva de resultados do quarto trimestre de 2023 (Banco do Brasil/Divulgação)

O Banco do Brasil (BBAS3) apresentou o melhor resultado do setor bancário no quarto trimestre de 2023, com lucro líquido de R$ 9,4 bilhões e rentabilidade de 21,6%. A liderança não é novidade: o BB foi o banco com melhor resultado do País em três das quatro divulgações relativas ao ano passado – o Itaú, maior banco privado do Brasil, ficou à frente no terceiro trimestre do ano passado. Vale lembrar que, no acumulado do ano, o Itaú levou a melhor e ficou à frente por uma margem estreita, de R$ 56 milhões.

“Sabemos o que estamos fazendo. Apesar de todo o descrédito que o mercado deu para o BB e para esta gestão, estamos entregando resultados e rentabilidade históricos”, defendeu Geovanne Tobias, vice-presidente de gestão financeira do banco, em coletiva para comentar os resultados do banco nesta sexta-feira, 9. 

As ações do BB têm recomendação de compra pelas principais casas de análise, mas a top pick do setor para a maioria delas segue sendo o Itaú, que, sendo privado, não tem o risco de intervenção estatal.  Havia especial desconfiança do setor sobre como seria o primeiro ano do banco sob o governo do presidente Lula.

“O Banco do Brasil é uma empresa com uma estrutura de governança muito forte. O mercado pode esperar de nós em 2024 tudo o que não esperaram em 2023: a entrega do nosso guidance”, destacou Tarciana Medeiros, presidente do banco. O BB propôs um crescimento da carteira de crédito de 8% a 12% para 2024 e lucro líquido ajustado entre R$ 37 bilhões e R$ 40 bilhões.

Em crédito, o grande destaque do Banco do Brasil segue sendo o agronegócio, que representa um terço da carteira. Houve um crescimento de 10,3% da carteira total em 2023, para R$ 1,10 trilhão, enquanto o agro teve avanço de 14,7%, para R$ 355,3 bilhões. 

Após anos de muita força para o agronegócio, a expectativa é de normalização este ano, com um crescimento da carteira de crédito do segmento entre 11% e 15%. “O agro será normalizado, então não devemos ter um crescimento tão grande de margem quanto em 2023. A inadimplência também está se acomodando para uma média histórica após ficar nas mínimas”, acrescentou Tobias. 

A inadimplência com atrasos acima de 90 dias do agro foi de 0,96%, alta de 0,25 ponto percentual em três meses. Por sua vez, o índice de inadimplência geral da carteira foi de 2,92% avanço de 0,3 p.p. em um ano, e de 0,1 p.p. em três meses.

Balanço positivo e queda de ações?

Apesar do saldo final positivo, as ações do BB operam em queda próxima de 2% por volta de 12h nesta sexta-feira, 9. Os analistas avaliaram que o balanço do banco estatal tem alguns desafios. 

Um deles é que a linha final do balanço foi impactada positivamente pelo resultado da tesouraria, que foi beneficiada por um evento pontual: a maxidesvalorização do câmbio na Argentina e seu efeito sobre o Banco Patagônia, controlado pelo BB. 

Além disso, houve um aumento relevante na provisão para devedores duvidosos (PDD), que subiu 82,3% em base anual, para R$ 30,5 bilhões, de olho em um agravamento de alguns casos pontuais no atacado. O banco não divulga os nomes das empresas que receberam o reforço adicional de provisões, mas a Gol, em recuperação judicial, tem sido um ponto de atenção para os bancos brasileiros.

Ainda assim, a expectativa era por uma reação positiva. “O Banco do Brasil publicou um guidance construtivo para 2024. Embora as tendências operacionais tenham sido mais fracas, o aumento de dividendos e guidance sólido provavelmente serão recebidos positivamente. Mantemos recomendação de compra”, escreveram, em relatório, os analistas do Goldman Sachs.

Junto com os resultados, o BB anunciou um aumento do payout (percentual de distribuição em relação ao lucro) de 40% para 45% -- um dos pontos mais positivos do resultado na visão dos analistas. O banco irá pagar R$ 2,38 bilhões em proventos

“Com ventos favoráveis para a lucratividade do BB, reiteramos nossa recomendação de compra. O banco estatal continua a ser negociado com desconto, apesar do desempenho superior a seus pares”, escreveram os analistas da Genial Investimentos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Itaúsa (ITSA4) pagará R$ 3,1 bilhões em dividendos adicionais; veja quem recebe
seloMercados

Itaúsa (ITSA4) pagará R$ 3,1 bilhões em dividendos adicionais; veja quem recebe

Há 3 horas

Petrobras (PETR4) paga primeira parcela de dividendos nesta terça-feira; veja quem recebe
seloMercados

Petrobras (PETR4) paga primeira parcela de dividendos nesta terça-feira; veja quem recebe

Há 3 horas

Queda no lucro do Carrefour e dividendos de R$ 3 bi de Itaúsa: veja os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Queda no lucro do Carrefour e dividendos de R$ 3 bi de Itaúsa: veja os assuntos que movem o mercado

Há 3 horas

China faz corte recorde em taxa de juros imobiliário em meio a dificuldades do setor
seloMercados

China faz corte recorde em taxa de juros imobiliário em meio a dificuldades do setor

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais