Invest

Morgan Stanley e Goldman divergem sobre rumo de S&P 500

O S&P 500 entrou no chamado “bull market” técnico na semana passada, depois de subir 20% em relação à mínima de outubro

S&P 500: em um ciclo de alta, os principais estrategistas de Wall Street estão divididos sobre o caminho adiante (Getty/Getty Images)

S&P 500: em um ciclo de alta, os principais estrategistas de Wall Street estão divididos sobre o caminho adiante (Getty/Getty Images)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 12 de junho de 2023 às 11h28.

Com o S&P 500 agora em um ciclo de alta, os principais estrategistas de Wall Street estão divididos sobre o caminho adiante.

David Kostin, do Goldman Sachs, espera que os ganhos continuem à medida que outros setores acompanhem o forte rali das ações de tecnologia. Enquanto isso, Michael Wilson, do Morgan Stanley, aponta para o “bear market” da década de 1940, quando o S&P 500 subiu 24% antes de retornar a uma nova mínima.

Mais pessoas começaram a declarar “o fim oficial do ‘bear market’; discordamos respeitosamente devido à nossa previsão para os lucros de 2023”, segundo nota de Wilson, entre os estrategistas mais pessimistas de Wall Street.

O S&P 500 entrou no chamado “bull market” técnico na semana passada, depois de subir 20% em relação à mínima de outubro. Investidores apostam no crescimento econômico resiliente em meio à pausa do aperto monetário do banco central, um fator importante para o setor de tecnologia. O foco agora está na reunião do Federal Reserve esta semana, com a expectativa de que a autoridade monetária finalmente respire depois de mais de um ano aumentando os juros.

Wilson diz que a pausa pode marcar o fim do rali “em uma reviravolta irônica” diante da menor liquidez. O estrategista projeta uma queda de 16% para os lucros de empresas do S&P 500 este ano, antes de uma forte recuperação em 2024.

Isso se compara a previsões de um declínio de apenas 2,4% para 2023, já que analistas sell-side elevam rapidamente suas expectativas de lucro para os EUA e Europa. Com a temporada de balanços mais recente melhor do que o esperado, o número de estimativas elevadas tem superado os rebaixamentos nos últimos dois meses, de acordo com um índice do Citi.

Wilson ficou em primeiro lugar na pesquisa Institutional Investor do ano passado, depois de prever corretamente a onda vendedora de ações, mas seu cenário de novas quedas em 2023 por enquanto não se concretizou.

Mais ganhos

O Goldman Sachs está otimista, com a previsão de contínua alta para o S&P 500 com ganhos para outros setores além do tecnológico.

“Episódios anteriores de estreitamento acentuado da amplitude foram seguidos por uma recuperação em relação a uma reclassificação mais ampla dos valuations”, escreveram estrategistas liderados por Kostin em nota de 9 de junho.

Kostin agora espera que o S&P 500 termine o ano em torno de 4.500 pontos, acima de sua meta de 4.000, o que implicaria uma valorização de quase 5% desde o fechamento de sexta-feira.

A história pode estar do lado de Kostin. A estrategista do Bank of America, Savita Subramanian, disse na semana passada que uma análise que remonta à década de 1950 mostra que o índice avançou 92% no período de 12 meses após a confirmação de um mercado altista.

Acompanhe tudo sobre:Goldman SachsMorgan StanleyS&P 500Bloomberg

Mais de Invest

Cosan (CSAN3): entenda por que as ações da holding derreteram 34% em 2024

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 86 milhões

Meu sogro doou 'terras da fazenda' em vida e os irmãos dele não concordaram. E agora?

Quina de São João sorteia prêmio de R$ 220 milhões neste sábado; veja como jogar e fazer bolão

Mais na Exame