Acompanhe:

Bolsa retoma alta após PEC da Transição de R$ 145 bi ser aprovada na CCJ

Proposta passa a manter o Bolsa Família dentro do teto de gastos reduz em R$ 30 bilhões impacto proposto pelo relator

 (Germano Lüders/Exame)

(Germano Lüders/Exame)

G
Guilherme Guilherme e Beatriz Quesada

7 de dezembro de 2022, 11h09

O Ibovespa ganhou força no final do pregão desta terça-feira, 6, e fechou em alta após a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado ter aprovado a PEC da Transição com impacto de R$ 145 bilhões – R$ 30 bilhões a menos do que  parecer do relator apresentado hoje aos senadores.

  • Ibovespa: + 0,72%, 110.189 pontos
  • Dólar: - 0,23%, R$ 5,271

O novo texto não excepcionaliza o Bolsa Família do teto de gastos, como desejado pela equipe de transição do novo governo, mas propõe a adição de R$ 145 bilhões ao limite do teto com prazo de dois anos. O relatório final também prevê R$ 22,9 bilhões extra-teto para investimentos. O texto será votado no Senado amanhã.

Após a aprovação na CCJ, o Ibovespa retomou a trajetória de alta que vinha perdendo força ao longo da tarde justamente por conta das incertezas envolvendo a PEC. Na máxima, o índice subiu 1,15%, aos 110.663 pontos. Na mínima, caiu 0,17%, aos 109.217 pontos. 

A leitura dos agentes financeiros era de que o texto ainda apresentava riscos para as contas públicas. Vale lembrar que os temores continuam mesmo com a aprovação na CCJ, mas houve certo alívio pelo valor ser menor do que o esperado, o que traz expectativas de maior desidratação no texto até a aprovação final.

“Mercado hoje o dia inteiro ficou em cima da expectativa da PEC na CCJ. Após a votação, os agentes financeiros entenderam o gasto extrateto de R$ 145 bilhões com prazo de dois anos como bastante positivo”, avaliou Rodrigo Moliterno, diretor de renda variável da Veedha Investimentos.

"O mercado chegou a reagir bem, já que, pelo menos, pré-fixaram o valor do Bolsa Família, o que tira o risco desse valor aumentar posteriormente”, afirmou Wagner Varejão, especialista da Valor Investimentos.

Cautela no exterior

As bolsas da Europa e dos Estados Unidos, por outro lado, tiveram mais um dia de perdas nesta terça, com preocupações do mercado americano quanto aos desafios do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em controlar a inflação do país. Foi o quarto pregão seguido de queda nos Estados Unidos, tendo como pano de fundo dados mais fortes da atividade econômica americana.

Mais cedo, os principais de Wall Street chegaram a ensaiar alguma recuperação ainda no mercado de futuros. Mas o tom azedou após o início do pregão à vista. O índice Nasdaq, mais dependente de juros baixos, voltou a ter o pior desempenho.

Maiores altas e baixas do Ibovespa

A Ecorodovias liderou os ganhos e subiu quase 7% depois do Itaú BBA elevar a recomendação para a ação, de venda para neutra. 

Os analistas do banco de investimentos disseram que o papel tem uma taxa interna de retorno atraente, em cerca de 18%, mas destacaram a alta alavancagem como um ponto de atenção. 

A companhia aérea GOL também avançou e ficou entre os destaques desta terça-feira após anunciar um aumento de 28,5% na demanda por voos no mês de novembro. 

  • Ecorodovias (ECOR3): + 6,70%
  • Lojas Renner (LREN3): + 5,06%
  • IRB (IRBR3): + 4,55%
  • Gol (GOLL4): + 4,10%

Leia também 

Na ponta oposta, Sabesp liderou as perdas do dia, seguida PetroRio e 3R Petroleum que acompanharam a queda de quase 4% do petróleo no mercado internacional em dia de derrocada das bolsas americanas.

  • Sabesp (SBSP3): - 4,49%
  • PetroRio (PRIO3): - 3,83%
  • 3R Petroleum (RRRP3): - 3,55%

Ibovespa em dezembro

Depois de abrir a semana em forte queda de olho no Fed, o Ibovespa avançou nesta terça mas ainda acumula queda de 1,55% na semana. Em dezembro, o principal índice da B3 recua 2,04%. No ano, o Ibovespa ainda sobe 5,12%.