Invest

Criada sem visar lucro, OpenAI, que pode valer US$ 29 bi, mira se tornar a maior startup do mundo

Assim que as ferramentas de IA da empresa caíram nas graças do público, o CEO Sam Altman recalculou a rota e agora visa uma emissão de ações que dá saída a funcionários e investidores. Do resultado, espera-se uma nova big tech

O CEO da vez: Sam Altman lidera a OpenAI, uma das mais promissoras startups dos EUA (Paul Morris/Getty Images)

O CEO da vez: Sam Altman lidera a OpenAI, uma das mais promissoras startups dos EUA (Paul Morris/Getty Images)

A pedra filosofal almejada pelas maiores empresas de tecnologia do Vale do Silício (EUA) é a criação de uma inteligência artificial (IA) capaz de imitar perfeitamente a inteligência e as singularidades do ser humano. Nos laboratórios que testam invenções do tipo, o da OpenAI, empresa liderada por Sam Altman, indica ter chegado mais próximo desse marco com o software ChatGPT, um chatbot que imita uma conversa humana com base em perguntas e pedidos dos usuários.

LEIA TAMBÉM: ChatGPT: conheça a inteligência artificial capaz de escrever artigos, roteiros e músicas

O sucesso recente da ferramenta, que atingiu 1 milhão de usuários no final do ano passado, fez com que a OpenAI —  que já tem capital aberto desde 2019 e é avaliada em US$ 14 bilhões de dólares refizesse os planos para conseguir uma nova rodada de investimento. Para engordar o valuation, entraram na mira as ações de funcionários, que querem sair do negócio, e de antigos investidores. O montante pode chegar a US$ 300 milhões e com isso, a empresa seria avaliada em US$ 29 bilhões, o dobro do valor atual.

Se alcançar este patamar estimado, a jovem empresa chegaria ao posto de maior startup do mundo e criaria mais uma big tech americana, mas dessa vez voltada ao promissor negócio das inteligências artificiais. E, ainda que trabalhe no campo da experimentação e não tenha receita, de olho na captação estão gestoras de venture capital de peso de Thrive Capital e Founders Fund, duas conhecidas pela criação de unicórnios.

Esta não é a primeira vez que a companhia recalcula a rota para conseguir crescer. Na fundação da OpenAI, em 2015, o objetivo era funcionar com uma ONG para desenvolver código aberto que beneficiasse toda a humanidade daí o nome da empresa. Com o apelo nobre da ideia, Elon Musk e Reid Hoffman, o fundador do LinkedIn, se juntaram a iniciativa e ajudaram a atrair investidores anjos.

Em meados de 2019, quando Sam Altman assumiu o comando da startup, e Elon Musk se desligou do projeto, o novo CEO deu início a um braço for profit para conseguir levantar recursos e financiar o poder computacional necessário para treinar seus algoritmos. Logo veio o primeiro resultado que ganhou olhares: o software Dall-E, que no início usava um banco de dados de 12 bilhões de imagens e criava outras figuras e fotos a partir disso.

LEIA TAMBÉM: O que o CEO do Google pensa sobre o ChatGPT

No estágio atual, segundo a empresa, além das imagens e do chat em linguagem humana, os algoritmos da empresa conseguem admitir erros, desafiar premissas incorretas e rejeitar solicitações inapropriadas. Tamanho poder em simular a criatividade humana, atraiu a atenção de empresas como Microsoft, que já investiu US$ 1 bilhão no negócio, e ganhou a preferência na comercialização de novas tecnologias para serviços como o Bing e o Microsoft Design.

Se aposta se mostrar certeira, a empresa liderada por Satya Nadella ganha vantagem na competição com o DeepMind, o laboratório de inteligência artificial da Meta, e tem a chance de finalmente fazer frente aos mecanismos de busca do Google. No limiar desse curioso novo mundo, a chance de ser quem vai ditar o mercado de software mais um vez.

Acompanhe tudo sobre:bolsas-de-valoresInteligência artificialMercado financeiroMicrosoftStartups

Mais de Invest

Petrobras divulga resultado do primeiro trimestre de 2024 nesta segunda. Saiba o que esperar

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2723: prêmio estimado é de R$ 46,7 milhões

Imposto de Renda 2024: Receita paga primeiro lote neste mês; veja quem recebe

Mais brasileiros usarão Pix para comprar presente de Dia das Mães, diz pesquisa

Mais na Exame