Future of Money

Startup lança token de plataforma para formar profissionais do mercado cripto

Projeto surgiu de percepção de falta de qualificação de mão de obra e grande oferta de vagas para o setor, que está em crescimento

Startup quer formar programadores para atuar na área de criptoativos (nikkimeel/Getty Images)

Startup quer formar programadores para atuar na área de criptoativos (nikkimeel/Getty Images)

A Thetryum lançou neste sábado, 7, o token TTY, que será a base da plataforma educacional da startup brasileira voltada para a qualificação de pessoas interessadas em trabalhar em áreas ligadas à tecnologia blockchain e aos criptoativos.

Um estudo da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) aponta que 420 mil postos de trabalho devem ser abertos no setor até 2024. Apenas em 2022, a oferta de vagas subiu 400%.

  • Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Mas Marlon Botelho, fundador da Thetryum, avalia que ainda há uma falta de conhecimento muito grande de potenciais candidatos sobre a tecnologia, e até de aspectos mais básicos, como linguagens de programação: "Não é algo ensinado na faculdade, não tem, tem várias matérias, mas não sobre isso".

Botelho destaca que as vagas no setor de criptoativos e blockchain costumam estar associadas a "salário alto, home office, flexibilidade e vantagens na profissão", mas que os profissionais interessados acabam tendo dificuldade de atender aos requisitos mínimos de processos seletivos.

"Um produto de blockchain é totalmente diferente da realidade. Não tem muitos cursos, mas precisa aprender sobre", comenta. Foi a partir dessa ausência que a Thetryum foi idealizada, oferecendo cursos na área, mas foco em pessoas que já possuem um conhecimento inicial sobre programação.

Botelho resume o projeto como uma "plataforma Web3 para programação". A ideia é que os primeiros cursos testes sejam lançados no segundo semestre de 2023, e a partir de 2024 haverá o lançamento de todo o material que está sendo preparado e validado.

Um ponto central na plataforma será o criptoativo TTY. Com uma quantidade máxima de 150 milhões, ele poderá ser usado para comprar cursos, obter descontos, tokens não-fungíveis (NFTs, na sigla em inglês) ou simplesmente para negociações entre compradores e vendedores interessados.

Além do aspecto de formação profissional, o fundador da Thetryum alerta para a importância de aprender mais sobre a área e evitar golpes: a maioria dos investidores ficam caçando projetos para ficar milionário. O brasileiro que investe em cripto, 70%, acredita que com R$ 100 vai ficar milionário, e é aí que vai perdendo dinheiro, porque fica caindo em golpe".

"O mercado de criptoativos demanda vários profissionais, mas precisam ter conhecimento sobre a área. É uma transformação, porque o mercado tradicional já respira blockchain, tem essa migração já acontecendo, mas não tem mão de obra", ressalta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:BlockchainCriptoativosCriptomoedasStartups

Mais de Future of Money

Análise: após decisão monetária do Fed, bitcoin segue em tendência de alta

Investir em bitcoin é a “forma mais fácil de ficar milionário”, diz autor de Pai Rico, Pai Pobre

Trump se apresenta como "criptopresidente" e diz que quer "bitcoin feito nos EUA"

Bitcoin dispara após divulgação do CPI: há esperanças para corte nos juros nos EUA?

Mais na Exame