Invest

Ações do Mercado Livre disparam 10% após surpresa positiva no balanço do 1º tri

Gigante do e-commerce reportou um lucro 71% maior no primeiro trimestre, alcançando US$ 344 milhões

Mercado Livre: ações da varejista são destaque de alta no pregão desta sexta-feira (Mercado Livre/Divulgação)

Mercado Livre: ações da varejista são destaque de alta no pregão desta sexta-feira (Mercado Livre/Divulgação)

Beatriz Quesada
Beatriz Quesada

Repórter de Invest

Publicado em 3 de maio de 2024 às 12h02.

Última atualização em 3 de maio de 2024 às 13h22.

As ações do Mercado Livre disparam cerca de 10% no pregão desta sexta-feira, 3, após os números do primeiro trimestre da companhia saírem acima do esperado. Na noite de ontem, a gigante argentina reportou um lucro líquido de US$ 344 milhões no período – alta de 71,1% em relação à mesma janela do ano anterior. O lucro por ação ficou em US$ 6,78, acima do esperado por analistas.

O impulso veio com as operações do Brasil e do México. A receita total do Mercado Livre somou US$ 4,3 bilhões no primeiro trimestre, alta de 43,3%. No Brasil, a receita foi de US$ 2,57 bilhões, incluindo as operações de varejo e serviços financeiros – uma alta de 56,7%. No México, a receita subiu 59,2%, para US$ 971 milhões.

O volume bruto de mercadorias (GMV, na sigla em inglês) alcançou US$ 11,4 bilhões no primeiro trimestre, ganho 21,3% na comparação anual. O GMV de Brasil e México avançou 30% na mesma base de comparação, compensando a compressão de margem na Argentina.

“Embora os resultados na Argentina tenham sido um destaque negativo (tendência que esperamos que persista nos próximos trimestres), o Mercado Livre manteve o desempenho superior no e-commerce em seus principais mercados versus pares, reforçando sua vantagem competitiva como ecossistema, que se fortaleceu nos últimos anos”, destacaram, em relatório, os analistas do BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME). 

Os analistas do banco são céticos com o setor de e-commerce, mas o Mercado Livre é exceção – especialmente no Brasil. “Ainda vemos uma tendência de crescimento para o e-commerce brasileiro (bem como para alguns mercados latino-americanos), com GMV e participação no mercado muito mais elevados do que os níveis pré-pandemia”, escreveram.

O Mercado Livre é a principal aposta do BTG no setor e, segundo os analistas, será o grande vencedor do comércio eletrônico na América Latina. O preço-alvo para as ações é de US$ 2,04.

 Os analistas do Bank of America (BofA) também destacaram o bom momento de crescimento do GMV no Brasil. “Havia incerteza em torno do impulso do GMV no Brasil e da cadência geral de investimento, mas acreditamos que a administração dissipou [esses medos] na divulgação de resultados”, informaram em relatório.

O BofA adiantou uma reação positiva das ações, considerando, ainda, as perdas anteriores do papel. O resultado anterior, do quarto trimestre de 2023, havia ficado aquém das expectativas, prejudicando o resultado dos papéis. Até o pregão de ontem, as ações do Mercado Livre recuava 18% no acumulado do ano, contra queda de apenas 3% do Nasdaq, seu índice de referência. Com a alta de hoje, o papel pode fechar essa disparidade.

Acompanhe tudo sobre:Mercado LivreAçõesBTG Pactualbank-of-america

Mais de Invest

O que são herdeiros necessários? Entenda neste artigo

O que é equity e como o investimento funciona?

Conheça o novo lançamento do BTG Pactual: Crédito por Investimentos

Nvidia tem forte queda e perde US$ 500 bi após ter se tornado empresa mais valiosa do mundo

Mais na Exame