Invest

O que é hedge? Como proteger seu patrimônio com o mercado financeiro

O hedge é a maneira pela qual investidores e demais agentes da economia protegem e aumentam a previsibilidade de seus ganhos e despesas

 (Getty Images/Reprodução)

(Getty Images/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de abril de 2024 às 07h00.

Tudo sobreAções
Saiba mais

O Hedge, muito difundido quando o assunto é o mercado de opções, nada mais é do que uma espécie de seguro, do mesmo modo que os seguros oferecidos pelas mais variadas instituições financeiras, porém como objetivos bem específicos.

Confira o simulador que ajuda a escolher os melhores produtos para investir

Com ele, é possível proteger uma carteira de ações da queda dos mercados, definir o preço de venda de uma commoditie sem que você fique refém das oscilações de preço em virtude das leis da oferta e da demanda e, até mesmo, conseguir viajar para o exterior com maior segurança,

O que é hedge?

O hedge é considerado uma estratégia de investimentos que possui como principal função realizar a proteção do capital, o que pode ocorrer com todo o patrimônio ou apenas com uma operação específica. A sua tradução de hedge já demonstra essa característica, já que em português ele significa cobertura. 

Assim, o hedge nada mais é do que um seguro, como os seguros de carro, de vida, casa, entre outros, e possibilidade ao investidor a redução dos riscos, limitando-os e, em certo grau, eliminando-os, uma vez que todo o seu capital pode ficar protegido no caso do mercado ir contra a sua posição.

Apesar de se parecer muito com os seguros mais comuns do nosso dia a dia, poucos investidores utilizam hedge em seus investimentos, uma vez que para montá-lo é necessário acessar os mercados de opções e o mercado futuro.

Esses mercados demandam um nível de conhecimento mais profundo, já que mesmo sendo utilizados para proteção, também podem ser usados como forma de alavancagem, o que torna muito arriscado.

Importante lembrar, ainda, que o hedge não ocorre apenas para o mercado de renda variável, empresas e produtores rurais também utilizam esse instrumento, principalmente para se proteger das variações cambiais, que podem jogar por água abaixo o seu lucro.

Como o hedge funciona?

Para explicar o funcionamento do hedge, agora que você já sabe o que é e qual é a tradução de hedge, utilizaremos o mercado de ações, de maneira geral.

Assim, o hedge pode ser realizado pelo investidor de duas maneiras: por meio dos mercados futuros e de opções ou por posições contrárias (mais comum).

No caso da utilização de opções e do mercado futuro, a “cobertura” da carteira de ações ocorre por meio de “travas”, ou seja, o investidor consegue na data de hoje definir o preço no futuro pelo qual aceita negociar o seu ativo.

Com essa proteção, pensando no caso de uma queda do mercado de ações, o investidor consegue vender as suas ações ao preço que definiu antes da queda, o que permite, muitas vezes, vender as ações no preço de compra quando elas estão muito abaixo desse valor.

Por outro lado, também é possível proteger uma carteira de investimentos apostando em setores diferentes, mas aqui não será travado o preço, apenas será possível compensar a perda de um setor com os ganhos de outro.

A estratégia mais conhecida de proteção que envolve ativos diferentes está ligada ao mercado de ações brasileiro e o dólar. Como existe uma tendência de relação inversa, para proteger os seus investimentos em reais, o investidor se expõe ao dólar, que tende a valorizar quando a bolsa cai.

Além dessa proteção tradicional, também é possível fazer proteções ao comprar setores que se comportam de maneira diferente em cada etapa do ciclo econômico, ou seja, apostar em ações contra commodities, em juros contra ações, entre outras formas.

Saindo um pouco do mercado de ações, empresas e produtores rurais também podem utilizar o mercado para se proteger, principalmente, da variação do dólar. 

Isso pode ocorrer tanto para queda do dólar, que pode impactar as suas receitas, quanto para a alta do dólar, que podem aumentar as suas despesas. Assim, eles podem adotar estratégias para travar a cotação do dólar para realizar uma compra de insumo ou para a venda de seus produtos, tudo por meio do mercado futuro ou do mercado de opções. 

Quais são os tipos de hedge?

O hedge, apesar de em sua maioria demandar uma tomada de decisão e um posicionamento para montar a estratégia, também pode ocorrer sem que o investidor esteja necessariamente focado nele.

Por isso, agora vamos conhecer as principais formas de hedge presentes no mercado.

Natural

Como o próprio nome permite deduzir, o hedge natural independe da vontade do investidor, do empresário ou produtor.

No caso do investidor isso ocorre quando ele constrói uma carteira de investimentos diversificada, onde quando um setor não caminha bem e outro, totalmente diverso, compensa as perdas.

Já no caso de empresários e de produtores rurais, a forma natural e tradicional está ligada às variações do dólar, que impactam tanto as despesas quanto as receitas. Assim, as mudanças nas cotações da moeda, apesar de impactam negativamente as despesas, podem mais do que compensar as receitas obtidas.

Cambial

O hedge cambial é um dos mais conhecidos e está presente até mesmo no nosso dia a dia, quando decidimos realizar uma viagem para o exterior, por exemplo.

Nesse caso, é muito comum que ao definir o destino e comprar a viagem, inicia-se o processo de planejamento para a viagem, que vai ter como ponto focal construir uma reserva na moeda do país que iremos visitar. 

Assim, é possível comprar dólar e deixar alocado em títulos públicos do governo americano, alocar em fundos cambiais ou simplesmente comprar o dólar aos poucos, em uma estratégia de busca de preço médio.

Além das viagens, o hedge cambial é amplamente utilizado por empresas que têm algum tipo de exposição de sua operação à moeda estrangeira. Essa proteção pode ser válida tanto para reduzir o custo dos insumos quanto para aumentar o valor de venda e, consequentemente, as receitas. 

Commodities

No caso das commodities, o hedge não é opção, mas sim uma necessidade, já que esses produtos são regidos pela lei da oferta e da demanda como poucos outros produtos do mercado.

Além disso, como apresentam padrões muito parecidos, ou seja, não existe uma diferenciação tão significativa entre os produtos e em virtude da elevada exposição à questão climática, seja você produtor, consumidor ou investidor, é fundamental criar uma proteção para o produto.

 Diferente do que ocorre com outras formas de hedge, no caso de commodities é muito mais comum a utilização dos mercados futuros para definir o preço pelo qual o ativo será entregue ou comprado.

Além da proteção, o contrato futuro permite, por exemplo, que o produtor de milho, soja ou trigo, saiba o preço pelo qual irá vender a sua produção, independente do que ocorra com os preços do mercado, o que lhe garante maior previsibilidade para suas receitas.

Ações

O Hedge no mercado de ações pode ocorrer tanto de forma “natural”, com a composição de um carteira de investimentos diversificada, onde setores diferentes se compensam, o que é o mais comum, mas também por meio do mercado de opções e o mercado futuro.

No caso das opções, para se proteger de uma queda dos preços, como as que ocorrem em eventos pontuais de algumas empresas ou para as quedas generalizadas do mercado, o investidor pode comprar opções de venda, conhecidas no mercado como “put”.

Confira o simulador que ajuda a escolher os melhores produtos para investir

Além de garantir o direito a vender as ações pelo preço de exercício da opção, as opções de venda no caso de queda do mercado se valorizam e podem mudar o patamar do patrimônio do investidor.

Já o mercado futuro é muito utilizado por meio da compra ou da venda de contratos do Ibovespa. Assim, o investidor que tenha uma carteira de ações pode se expor ao índice Ibovespa por meio do mercado futuro e se proteger como um todo.

Qual a importância do hedge?

O Hedge, que como foi possível perceber até aqui, é uma forma de proteção, que pode até mesmo ser definido como um seguro e é essencial tanto para investidores quanto para empresas e produtores rurais.

Do mesmo modo que existe uma grande preocupação em realizar seguro de carros, motos, casa e de vida, o investidor precisa ter esse cuidado com sua carteira de ações, o produtor com os seus insumos e seus grãos e as empresas com os insumos e as receitas.

Assim, é só por meio dele e da utilização do mercado de opções e do mercado futuro que os agentes da economia alcançarão segurança, proteção e previsibilidade, com apenas uma operação.

Portanto, o hedge é sim uma excelente ferramenta para que você, independente do objetivo, consiga se proteger e, em muitos casos, se beneficiar das variações que ocorrem nos mercados de ações, cambial e de commodities.

Acompanhe tudo sobre:Fundos hedgeAçõesbolsas-de-valores

Mais de Invest

Após balanço, Nvidia (NVDC34) já vale mais que Amazon (AMZO34) e Tesla (TSLA34) juntas

Senacon notifica 20 operadoras de planos de saúde por cancelamentos de contratos; veja lista

Febraban orienta clientes a dar prioridade a canais digitais por tragédia no Rio Grande do Sul

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com cautela por política monetária

Mais na Exame