• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 62,17 +0,00%
  • Ouro 1.746,80 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.208,00 +0,00%

Nova espécie de abelha selvagem é descoberta em fazenda de Goiás

Espécie foi identificada em programa de agricultura sustentável da Bayer. Falta de abelhas coloca em risco três quartos da produção de alimentos global. Veja fotos

Uma nova espécie de abelha foi descoberta no Brasil. Batizada de ceratina (ceratinula) fioreseana, ela foi identificada na fazenda Nossa Senhora Aparecida, a 150 km de Brasília, que participa de um programa de agricultura sustentável promovido pela Bayer -- as primeiras aparições da abelha aconteceram em uma área de floresta recuperada. Classificada como solitária (não vive em colônias), a espécie é caracterizada por ser uma polinizadora importante em ecossistemas naturais. 

O artigo científico com o anúncio da descoberta foi publicado na Zookeys, publicação internacional referência nas áreas de zoologia, taxonomia, filogenia e biogeografia. O trabalho é assinado por Heber Luiz Pereira, pesquisador responsável pelo monitoramento da diversidade de polinizadores na fazenda, e a Favizia Freitas de Oliveira, pesquisadora taxonomista de abelhas do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia (IBIO-UFBA). 

Segundo Oliveira, a nova abelha é distinguida pelo padrão de manchas faciais e cor amarelo-mel das pernas. Os machos da espécie também possuem uma genitália bastante diferenciada. “Nós coletamos alguns espécimes da nova espécie, fêmea e macho. Além destas, identificamos mais 72 espécies de abelhas nativas brasileiras durante uma avaliação para monitoramento de diversidade de polinizadores, efetuada no entorno da lavoura de soja”, afirma a pesquisadora. 

A fazenda Nossa Senhora Aparecida pertence à família Fiorese -- o nome ceratina fioreseana é uma homenagem aos proprietários. “É um orgulho imenso”, afirma Henrique Fiorese, um dos administradores da fazenda. “No início do projeto da Bayer, sabíamos muito pouco sobre os polinizadores e seu papel importante para a agricultura. Porém fomos cada vez mais nos envolvendo e nos informando sobre o tema e descobrindo um novo mundo bem no meio da nossa fazenda.” A propriedade tem 2.700 hectares e produz soja, milho, feijão, trigo e sorgo.

Para Fiorese, o projeto é importante para desmistificar alguns conceitos sobre agricultura sustentável.  “Queremos mostrar em nossa propriedade que é possível desenvolver uma agricultura de larga escala, com o uso consciente de agroquímicos e preservação do meio ambiente, ao mesmo tempo em que levamos comida de qualidade para a mesa das pessoas”, destaca. 

Mais de 75% da produção de alimentos global depende de abelhas, de acordo com a Bayer. “À medida em que a indústria investe em pesquisas que promovem diálogos abertos entre os setores produtivos, ela está desempenhando um papel fundamental para a agricultura”, afirma Cláudia Quaglierini, gerente de inteligência tropical da companhia. A Nossa Senhora Aparecida é a primeira fazenda brasileira a participar do programa Bayer Foward Farming, que promove novas formas de produção sustentável. 

Risco para a agricultura

O sumiço de abelhas tem sido apontado como um dos maiores riscos para a agricultura no mundo. Em 2017, a primeira abelha foi adicionada à lista de espécies ameaçadas dos Estados Unidos: o zangão. Nas últimas duas décadas, o macho sofreu uma redução de 87%.  

O cenário preocupa a indústria. Além da Bayer, outra grande empresa do setor agrícola, a trader chinesa Cofco, também atua na proteção dos insetos. A empresa passou a mapear apiários no entorno dos seus canaviais no Brasil. Já foram identificados 78 apiários, que concentram mais de 5.000 colméias. O programa teve início em 2016. O objetivo é usar tecnologias de monitoramento para evitar que defensivos sejam aplicados nas áreas onde as abelhas se encontram. 

Especialistas afirmam que as abelhas sofrem pela redução de campos floridos, pelo uso de pesticidas e pela crise climática global. Uma pesquisa recente realizada por cientistas dos Estados Unidos, Canadá e Suécia, publicada na revista científica Royal Society, relatou que diversas áreas agrícolas estão sendo prejudicadas pela falta de abelhas nas plantações. Entre os alimentos que tiveram sua quantidade reduzida estão a maçã, as cerejas e os mirtilos. A estimativa é de que três quartos das culturas alimentares do mundo podem ter prejuízo.

Abelhas selvagens, como mangangás, são exemplos de polinizadores que estão sendo afastados das plantações. Rachel Winfree, ecologista da Universidade Rutgers, nos Estados Unidos, disse em nota que, dentre as 131 colheitas analisadas, as que continham mais abelhas tiveram uma produção significativamente maior. Os pesquisadores ainda ressaltaram que as abelhas selvagens são polinizadores mais eficazes do que abelhas comuns, embora ambas estejam em declínio.

Segundo Winfree, a situação ainda não é de crise. A tendência, porém, é que não deve demorar mais 10 ou 20 anos para o mundo entrar em uma crise de segurança alimentar, e os cientistas aconselham os agricultores a entenderem a quantidade ideal de polinização para cada plantação – dessa forma, não faltará para os demais campos.

Veja fotos da nova espécie de abelha encontrada no Brasil

Abelha descoberta Nova espécia de abelha foi encontrada em fazenda de Goiás, a 150 km de Brasília

Nova espécia de abelha foi encontrada em fazenda de Goiás, a 150 km de Brasília (Favizia Freitas de Oliveira/Divulgação)

nova espécie de abelha A nova espécie de abelha descoberta é facilmente distinguida pelo padrão de manchas faciais e cor amarelo-mel das pernas, assim como a genitália masculina bastante diferenciada

A nova espécie de abelha descoberta é facilmente distinguida pelo padrão de manchas faciais e cor amarelo-mel das pernas, assim como a genitália masculina bastante diferenciada (Favizia Freitas de Oliveira/Divulgação)

Abelha descoberta Mais de 75% da produção global de alimentos depende das abelhas

Mais de 75% da produção global de alimentos depende das abelhas (Favizia Freitas de Oliveira/Divulgação)

Veja também: DEPOIS DO CICLONE-BOMBA, O QUE ESTÁ POR VIR? | EXAMINANDO

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.