• AALR3 R$ 20,30 1.20
  • AAPL34 R$ 67,31 -3.71
  • ABCB4 R$ 17,34 4.39
  • ABEV3 R$ 14,14 -0.56
  • AERI3 R$ 3,70 -2.12
  • AESB3 R$ 10,70 0.19
  • AGRO3 R$ 30,84 0.72
  • ALPA4 R$ 20,74 -0.96
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,60 0.76
  • AMAR3 R$ 2,44 3.83
  • AMBP3 R$ 30,54 -2.08
  • AMER3 R$ 23,09 0.61
  • AMZO34 R$ 66,92 -1.12
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.54
  • ARZZ3 R$ 81,20 -0.79
  • ASAI3 R$ 15,45 0.32
  • AZUL4 R$ 21,24 0.05
  • B3SA3 R$ 11,81 2.25
  • BBAS3 R$ 35,70 -0.58
  • AALR3 R$ 20,30 1.20
  • AAPL34 R$ 67,31 -3.71
  • ABCB4 R$ 17,34 4.39
  • ABEV3 R$ 14,14 -0.56
  • AERI3 R$ 3,70 -2.12
  • AESB3 R$ 10,70 0.19
  • AGRO3 R$ 30,84 0.72
  • ALPA4 R$ 20,74 -0.96
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,60 0.76
  • AMAR3 R$ 2,44 3.83
  • AMBP3 R$ 30,54 -2.08
  • AMER3 R$ 23,09 0.61
  • AMZO34 R$ 66,92 -1.12
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.54
  • ARZZ3 R$ 81,20 -0.79
  • ASAI3 R$ 15,45 0.32
  • AZUL4 R$ 21,24 0.05
  • B3SA3 R$ 11,81 2.25
  • BBAS3 R$ 35,70 -0.58
Abra sua conta no BTG

Por que a rede neutra é importante para viabilizar o 5G no Brasil?

Serviços de tecnologia para redes móveis e banda larga necessitam de infraestrutura robusta de fibra óptica e capilaridade em todo o país, como a da V.tal
5G: rede neutra da V.tal pode ser compartilhada com operadoras, provedores e parceiros de todos os tamanhos e regiões do país (Getty Images/gremlin)
5G: rede neutra da V.tal pode ser compartilhada com operadoras, provedores e parceiros de todos os tamanhos e regiões do país (Getty Images/gremlin)
Por exame.solutionsPublicado em 17/11/2021 09:00 | Última atualização em 17/11/2021 08:47Tempo de Leitura: 5 min de leitura

O serviço de 5G, internet móvel de quinta geração, vai demandar um grande fluxo de dados em alta velocidade. E, para funcionar na agilidade esperada, será necessário o suporte de uma rede robusta de fibra óptica que sustente todo o tráfego.

Por isso, negócios como a V.tal, primeira empresa de rede neutra de conectividade fim-a-fim do mercado brasileiro, serão os grandes viabilizadores do 5G no Brasil.

Com cerca de 400.000 quilômetros de fibra óptica chegando a mais de 14 milhões de casas em 2.300 cidades em todo o território nacional, a empresa oferece infraestrutura para as principais operadoras de telecomunicações do país e mais de 340 provedores regionais, uma capilaridade única e não replicável que dá à empresa um papel importante no contexto de redes neutras no país.

Uma rede neutra é um modelo de “aluguel” de infraestrutura de rede óptica que fornece o serviço até o poste ou até mesmo dentro da casa do cliente. E, por ser “neutra”, ela permite que mais de uma operadora utilize a mesma rede.

“Esse modelo transforma uma ‘estrada’ de infraestrutura robusta, bem sinalizada e com asfalto liso onde antes passava apenas um carro em uma rodovia que permite o acesso a vários automóveis ao mesmo tempo”, compara André Telles, diretor de vendas na V.tal.

Fundamental para o 5G

Já estabelecido em países como Itália, Espanha e Reino Unido, esse formato evita sobreposição e redundância de infraestrutura de rede em uma mesma região, o que ocorria no segmento de telecomunicações, otimizando investimentos de forma geral. Além disso, acelera a implantação do 5G em razão da capilaridade de rede de fibra óptica de alta qualidade.

“É preciso ter uma rede muito robusta com uma taxa de latência [tempo entre o comando e o entendimento desse comando na outra ponta] muito baixa. Quanto mais rápida a rede, menor a latência, o que é muito importante para o 5G”, justifica Telles.

Já a alta capilaridade, acrescenta o executivo, é importante porque o 5G exige muito mais antenas do que temos disponível hoje. Como a internet móvel de quinta geração é transmitida em uma frequência mais alta, torna-se fundamental um adensamento maior dessas antenas aliado a uma infraestrutura conectada à fibra óptica.

Vantagens para todos

Hoje, a infraestrutura da V.tal é compartilhada por todos os players de banda larga em fibra óptica do país, sejam operadoras, sejam provedores regionais de todos os tamanhos e regiões. “Isso ajuda na rentabilização do investimento, permitindo ampliar ainda mais a rede”, completa o diretor da empresa.

Os parceiros podem escolher entre o modelo de negócios que vai até a casa do cliente ou o que vai até o poste – e ficam responsáveis para ir do poste até a casa do consumidor final. Essa rede neutra “fim-a-fim” possibilita que eles se concentrem em cuidar do cliente, deixando a parte de infraestrutura, com toda a sua robustez e complexidade, por conta de alguém que seja capaz de fazê-lo.

Outro benefício para os parceiros é que a rede neutra proporciona uma velocidade acelerada de expansão de seu negócio, principalmente provedores regionais. Como a V.tal atua em boa parte do território nacional, o parceiro pode sair da amarra regional e crescer em outros mercados, sem precisar de grandes investimentos em rede.

Além disso, como os parceiros não precisam fazer um megainvestimento de infraestrutura na largada, eles conseguem diminuir a barreira de entrada e ter fôlego para crescer, uma vez que os custos são variáveis (eles crescem apenas à medida que a base de clientes cresce), tornando possível escalar o negócio.

Case de sucesso

A Voa Telecom, provedora de internet na Região Sul e parceira da V.tal, por exemplo, já nasceu programada para crescer apoiada numa rede neutra robusta. “Eles podem ampliar o negócio de forma sustentável, pois compartilham o risco da infraestrutura com a gente, enquanto se dedicam ao cliente na ponta”, conta Telles.

Em dez anos, a Voa Telecom pretende ter 100% da operação apoiada em rede neutra. “Sem a sobreposição de investimentos é possível usar racionalmente a infraestrutura de rede, trazendo benefícios para todos: pode-se investir mais em uma rede que vai ser rentabilizada; parceiros têm liberdade de atuação em nível nacional, a população tem acesso a uma internet de qualidade e o governo consegue massificar a banda larga e aumentar o PIB da região”, analisa o diretor. “Todos no ecossistema ganham”.

Novos investimentos

A V.tal tem um plano de investimento de 30 bilhões de reais para expandir sua rede nos próximos cinco anos, seja em capacidade, seja em capilaridade. O objetivo é atingir 32 milhões de casas em todo o território nacional.

“Nossa rede vai estar disponível a qualquer parceiro que tenha interesse em conectar seus clientes finais”, afirma Telles. “Com toda essa infraestrutura em nível nacional, vamos descentralizar a conectividade e massificar a banda larga, chegando aos lugares mais longínquos e proporcionando o desenvolvimento regional que, hoje, está travado por falta de infraestrutura na região.”

Para o futuro, a empresa busca aumentar a rede de conectividade do país, além dos cerca de 400.000 quilômetros que já tem. “Com a pandemia, vimos que a conectividade é essencial. Queremos ajudar a ter mais casas conectadas para trabalhar, produzir, estudar e se comunicar com entes queridos.”