Cientistas criam pulseira que transforma calor do corpo em eletricidade

Dispositivo, que pode ser o futuro dos relógios inteligentes, usa a diferença entre temperatura ambiente e temperatura da pele para gerar energia

O Instituto de Tecnologia de Harbin, na China, desenvolveu uma pulseira com um gerador termoelétrico (TEG, na sigla em inglês) que consegue converter o calor do corpo em eletricidade — o suficiente para acender um LED, componente eletrônico semicondutor.

Os geradores termoelétricos têm um material rígido, algo que Qian Zhang, profissional que trabalhou com TEGs por mais de uma década, e seus colegas buscaram resolver no estudo. Entre magnésio e bismuto, materias que compõe o gerador, eles colocaram poliuretano e um eletrodo flexível, fator que conseguiu transformar o objeto em uma pulseira que envolve o punho humano.

A pulseira, de apenas 115 milímetros de comprimento e 30 mm de largura, usa a diferença entre a temperatura da pele e a temperatura ambiente para gerar energia.

A expectativa é que, no futuro, a tecnologia consiga ser aplicada em relógios inteligentes (smartwatches, em inglês) e acabar com a bateria tradicional. Além disso, Zhang acredita que "o fornecimento de energia é sempre um grande problema" e espera que sua criação possa ajudar a aliviar a crise de energia mundial.

Na sua melhor performance, o dispositivo consegue gerar 20,6 microwatts por centímetro quadrado, o suficiente para acender um LEG ligado à pulseira. “A temperatura ambiente afeta muito o desempenho”, acrescenta Zhang, que diz que o inverno é a melhor estação para o uso do aparelho, já que a diferença das temperaturas do ambiente e do corpo são maiores.

Em entrevista ao site de notícias NewScientist, Rolf Hut, profissional da Delft University of Technology e entusiasta de dispositivos vestíveis, disse:  “Adoro a ideia de extrair energia do corpo humano, em vez de ter que usar baterias. Considerando quantos LEDs eu gosto de incluir em meus projetos, eu me pergunto o quanto você pode ‘retirar’ de um ser humano antes que se torne desconfortável.”

O aparelho pode ser enrolado e desembrulhado no braço mais de 10.000 vezes sem afetar o desempenho. Nenhum efeito adverso foi registrado durante os testes em usuários.

No futuro, os pesquisadores querem aumentar o desempenho do TEG e integrar um conversor de voltagem para que ele consiga alimentar eletrônicos maiores, apesar de que isso signifique que o aparelho terá que aumentar de tamanho também.

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.