50 startups: Meu DNA quer usar a genética para melhorar o cuidado com a saúde

A startup começou oferecendo um teste de ancestralidade, mas a grande guinada ocorreu com o teste de covid-19 do tipo RT-Lamp, que é mais barato e dispensa o uso do cotonete nasal do teste RT-PCR tradicional
 (meuDNA/Divulgação)
(meuDNA/Divulgação)
F
Filipe Serrano

Publicado em 18/02/2021 às 07:00.

Última atualização em 18/02/2021 às 07:33.

Esta reportagem faz parte da série "50 startups que mudam o Brasil", publicada na EXAME. Conheça as demais empresas selecionadas

Desde que o primeiro genoma humano foi sequenciado, no ano 2000, o custo de se fazer a análise dos genes caiu radicalmente. A startup Meu DNA se aproveita dessa tendência para oferecer testes genéticos de baixo custo.

A empresa foi fundada em 2019 na capital paulista, como um braço do laboratório Mendelics, empresa especializada em análises genômica que tem o fundador da Totvs, Laércio Cosentino, entre os sócios.

A startup começou oferecendo um teste de ancestralidade, para identificar as origens genéticas de uma pessoa. Em seguida, lançou um exame que detecta a predisposição genética para uma série de doenças, como câncer de mama e próstata.

Mas a grande guinada ocorreu com o desenvolvimento de um teste de covid-19 do tipo RT-Lamp, que detecta a presença do coronavírus na saliva. Ele é mais barato e dispensa o uso do cotonete nasal do teste RT-PCR tradicional.

A empresa fez parcerias com hospitais e farmácias do país e hoje o exame está disponível em 1.100 farmácias.

“No início, a nossa meta era realizar 1 milhão de testes em cinco anos. Já fizemos mais de 300.000”, diz Cesário Martins, diretor da Meu DNA.

Ao todo, a empresa diz ter investido cerca de 10 milhões de reais nos últimos seis meses de 2020 para estruturar a operação dos testes de covid-19. O capital veio de um investimento de 45 milhões de reais recebido em 2019 pelo grupo Mendelics. A rodada foi liderada pelo MCLC4, family office de Laércio Cosentino, fundador e ex-presidente-executivo da produtora de software Totvs.

O próximo passo da startup é lançar um exame para bebês de até 2 anos para detectar a predisposição a 300 doenças que podem aparecer na infância, que terá o nome comercial de Meu DNA Bochechinha. “É uma evolução do teste do pezinho”, diz Martins.