Acompanhe:

A Tether, empresa responsável pela emissão da stablecoin Tether, divulgou nesta semana que expandiu suas reservas em bitcoin com novas compras no primeiro trimestre de 2024. Com isso, a empresa possui agora mais de 75 mil unidades do ativo, que valem mais de US$ 5,2 bilhões (R$ 26 bilhões, na cotação atual).

De acordo com informações divulgadas pela companhia, foram adquiridos US$ 627 milhões em unidades da criptomoeda ao longo do três primeiros meses de 2024. As compras fizeram a Tether superar pela primeira vez a marca de US$ 5 bilhões investidos no ativo.

O bitcoin é usado pela Tether como um dos ativos de reserva que garantem a paridade entre a USDT e o dólar. Na prática, a cotação da stablecoin busca ser sempre de US$ 1, e as reservas são uma forma de garantir a capacidade da empresa em acompanhar a moeda norte-americana. As compras do ativo começaram em setembro de 2022.

Com a aquisição, a Tether ocupa agora a posição de sétima maior investidora da criptomoedas. Em 2023, ela ocupou a 11ª posição. Além da Tether, outras companhias, gestoras e até governos - incluindo dos Estados Unidos e da China - fazem parte do grupo de maiores detentores do ativo.

Além do bitcoin, a Tether também realiza aquisições de títulos do Tesouro dos Estados Unidos como reserva. Entretanto, a companhia sinalizou em 2023 que tem buscado reduzir suas reservas em títulos e aumentar as reservas na criptomoeda para reduzir sua exposição à economia norte-americana.

Preocupações com a Tether

Em fevereiro deste ano, o banco JPMorgan divulgou um relatório em que avalia que o crescimento na capitalização de mercado das stablecoins nos últimos meses é um sinal positivo e "encorajador" para o futuro do segmento, mas ainda existem riscos e preocupações em torno da "dominância" da Tether no setor.

"A Tether representa um risco maior devido à falta de conformidade regulatória e transparência. Portanto, vemos a crescente concentração da Tether no ano passado como um fator negativo para as stablecoins e para o ecossistema cripto de forma mais ampla", argumenta o relatório.

Em resposta à análise do JPMorgan, o CEO da Tether Paolo Ardoino disse ao site The Block que estava "feliz em ler que o JPMorgan reconhece a importância da Tether e da tecnologia de stablecoins criada por nossa empresa. Mas me parece um pouco hipócrita a conversa sobre concentração vinda do JPMorgan, o maior banco do mundo".

Nos últimos anos, a Tether foi criticada principalmente pela falta de transparência em torno das reservas que garantem a paridade da USDT em relação ao dólar. Em 2023, a empresa passou a divulgar seus balanços de reservas, incluindo de bitcoin, buscando diminuir as preocupações do público.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Eduardo Paes diz que Rio de Janeiro é "amigo das criptos" e quer ser "capital da inovação"
Future of Money

Eduardo Paes diz que Rio de Janeiro é "amigo das criptos" e quer ser "capital da inovação"

Há 9 horas

'Não conheço outra alternativa ao dinheiro, além de ouro e criptomoedas', diz Ray Dalio
seloMercados

'Não conheço outra alternativa ao dinheiro, além de ouro e criptomoedas', diz Ray Dalio

Há 10 horas

Worldcoin, projeto de dono do ChatGPT, lança blockchain próprio
Future of Money

Worldcoin, projeto de dono do ChatGPT, lança blockchain próprio

Há 14 horas

Na contagem regressiva pelo halving, bitcoin tem variação mínima de preço
Future of Money

Na contagem regressiva pelo halving, bitcoin tem variação mínima de preço

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais