Queda no mercado cripto: bitcoin mantém US$ 20 mil e moedas de metaverso despencam

O bitcoin e as principais criptomoedas falham em recuperar quedas, que continuam afetando principalmente as moedas de metaverso
O bitcoin e ether, as duas principais criptomoedas, são negociadas por mais de 70% abaixo de suas máximas históricas (cihatatceken/Getty Images)
O bitcoin e ether, as duas principais criptomoedas, são negociadas por mais de 70% abaixo de suas máximas históricas (cihatatceken/Getty Images)
Por Mariana Maria SilvaPublicado em 22/06/2022 11:03 | Última atualização em 22/06/2022 11:03Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ainda que movimente US$ 76,8 bilhões nas últimas 24 horas, o mercado de criptomoedas perde 3,2% de sua capitalização no mesmo período, de acordo com dados do CoinGecko. Aparentemente sem forças para se recuperar, as principais criptomoedas iniciam esta quarta-feira, 22, em queda.

O bitcoin é cotado a US$ 20.502, com queda de 4,4% nas últimas 24 horas. A maior criptomoeda do mundo já caiu mais de 70% desde novembro de 2021, quando bateu sua máxima histórica. O preço atual não era visto desde o final de 2020.

Mesmo que a cotação atual do bitcoin pareça muito atrativa aos investidores depois que o mesmo chegou a custar mais de US$ 69 mil, especialistas pedem cuidado. “Acreditamos que ainda não é o momento de voltar as compras, necessitando uma desaceleração dessa pressão vendedora”, afirmou Lucas Costa, analista técnico do BTG Pactual.

Costa afirmou em sua última análise, que as perspectivas para a principal criptomoeda no curto e médio prazo ainda são de queda.

Neste sentido, foi lançado o primeiro ETF para os investidores que acreditam em mais quedas do bitcoin: o BITI. Negociado na NYSE, a bolsa de valores de Nova York, ele pretende oferecer um desempenho contrário ao de outros fundos de investimento de bitcoin e lucrar a partir da queda com a técnica de “short”, ou “venda a descoberto”.

“Como os últimos tempos mostraram, o bitcoin pode cair de valor”, afirmou o CEO da ProShares, Michael Sapir, em um comunicado de imprensa. A ProShares é a empresa responsável pela criação do ETF.

(Mynt/Divulgação)

O ether, a criptomoeda nativa da rede Ethereum, é cotado a US$ 1.092, com queda de 6,2% nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinGecko. Quase 80% a baixo de sua máxima histórica, a segunda maior criptomoeda do mundo também perde em capitalização, com queda de 5,2% nas últimas 24 horas, de acordo com o CoinMarketCap.

A criptomoeda-meme dogecoin, que disparava na última terça-feira, 21, após declarações de apoio de Elon Musk, hoje cai 4,9%. Enquanto isso, sua sucessora, a shiba inu, perde 1,9%. No entanto, no cenário semanal, ambas continuam em alta de 12,9% e 23,9%, respectivamente, de acordo com dados do CoinGecko.

Os NFTs e o metaverso também não andam fazendo muito sucesso entre os investidores. Em meio a NFT NYC, um dos maiores eventos do gênero que ocorre esta semana em Nova York, várias criptomoedas de metaverso despencam.

Uma delas é a ApeCoin, moeda do ecossistema da Bored Ape Yacht Club, coleção de NFTs mais valiosa do mundo que realiza festas exclusivas durante o evento. Nas últimas 24 horas, a APE cai 11,3%.

MANA e SAND, dos metaversos Decentraland e The Sandbox, também caem 7,2% e 4,7%, respectivamente, de acordo com dados do CoinGecko. Na última terça-feira, 21, The Sandbox anunciou na NFT NYC sua entrada no mercado brasileiro em parceria com a startup BAYZ.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok