Professores da FGV conquistam prêmio internacional em blockchain e inovação financeira

Eduardo Diniz e Jéfferson Colombo vencem o UBRI Awards nas categorias Impact e Maverick, no Canadá

Digital generated image of blue and yellow glowing data on black background. (Getty Images/Reprodução)
Digital generated image of blue and yellow glowing data on black background. (Getty Images/Reprodução)
Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 24 de outubro de 2023 às 17h01.

Última atualização em 24 de outubro de 2023 às 17h41.

Dois professores da Fundação Getulio Vargas (FGV) foram vencedores do UBRI Awards, que é uma premiação anual de todas as instituições de ensino vinculadas à rede University Blockchain Research Initiative (UBRI).

A premiação aconteceu durante o encontro deste ano da UBRI, nos dias 12 e 13 de outubro, na Toronto Metropolitam University (TMU), no Canadá. A escolha dos ganhadores é feita com base na indicação de acadêmicos e educadores de destaque em diferentes áreas relacionadas à tecnologia disruptiva.

O professor Eduardo Diniz (FGV Eaesp) venceu na categoria UBRI Impact (Using Blockchain for Good) ao se destacar pela sua atuação em projetos de pesquisa avaliando o papel de criptomoedas solidárias na promoção de inclusão financeira.

  • Economia digital e você ainda não investe em criptoativos? Conheça a Mynt, uma plataforma crypto brasileira e com a melhor seleção de ativos disponível para você explorar novas formas de investir sem medo. Abra agora sua conta gratuitamente.

Por sua vez, o professor Jéfferson Colombo (FGV Eesp) foi o vencedor na categoria UBRI Maverick (Innovative use of UBRI Funds), tendo como destaque a realização, na FGV Eesp, de maratonas de dados (Datathon) anuais com grupos de estudantes de graduação nas áreas de blockchain, criptomoedas e inovações financeiras.

Colombo, que também atua como coordenador e ponto focal da FGV junto ao UBRI, disse que a premiação atesta “que o trabalho que a FGV está desenvolvendo na rede UBRI não só é conhecido, mas reconhecido pelos pares.”

“Isso é fruto de um esforço permanente para o desenvolvimento de um programa abrangente e transversal de pesquisa, ensino e extensão nas áreas de blockchain e inovações financeiras”, emendou.

O UBRI Awards é uma premiação anual em que representantes de todas as instituições de ensino vinculadas à rede UBRI indicam acadêmicos e educadores de destaque em diferentes áreas. Todo ano, uma comissão composta de representantes de algumas dessas instituições avalia o mérito das indicações e escolhe os vencedores para cada categoria.

A edição de 2023, quinta do evento, foi a primeira vez que uma instituição de ensino da América Latina foi agraciada. O encontro deste ano debateu as seguintes temáticas: moedas digitais do Banco Central (CBDC); finanças descentralizadas (DeFi) e exchanges descentralizadas (DEX); tokenização; identidade; aplicativos e casos de uso; blockchain para o bem (sustentabilidade).

Atualmente, 54 instituições de ensino no mundo estão vinculadas à rede UBRI, que é uma parceria entre indústria e universidade promovida pela startup de pagamentos internacionais Ripple.

Em outra iniciativa acadêmica, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) lançou uma chamada pública para o Programa de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação para Serviços Avançados de 2024, programa voltado para projetos baseados em IA, big data, IoT, metaverso e blockchain.

Economia digital e você ainda não investe em criptoativos? Conheça a Mynt, uma plataforma crypto brasileira e com a melhor seleção de ativos disponível para você explorar novas formas de investir sem medo. Abra agora sua conta gratuitamente.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Mais de Future of Money

Blockchain ajuda na inclusão financeira, mas não é "varinha mágica", diz executivo

Taxas de transação com bitcoin despencam e revertem disparada após halving

O que aconteceu com o bitcoin depois do halving? Cripto tem aumento discreto após “evento do ano”

Stablecoins são "tábua de salvação" em países com inflação alta, diz CEO da Tether

Mais na Exame