País que pode desaparecer com mudanças climáticas vai criar cópia no metaverso

Tuvalu, um arquipélago que reúne nove ilhas no Oceano Pacífico, pretende se tornar a primeira "nação digital" do mundo
Especialistas esperam que Tuvalu fique totalmente submerso até o final do século 21 (Divulgação/Divulgação)
Especialistas esperam que Tuvalu fique totalmente submerso até o final do século 21 (Divulgação/Divulgação)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 22/11/2022 às 10:58.

Tuvalu é um arquipélago composto por noves ilhas localizadas no Oceano Pacífico, no meio do caminho entre a Austrália e o Havaí, que corre o risco de desaparecer devido ao gradual aumento do nível do mar causado pelas mudanças climáticas.

Para enfrentar a ameaça, o país vai recriar seu território no metaverso como forma de preservar o Estado, a cultura, o conhecimento e a história de Tuvalu em um espaço digital, revelou o ministro de Relações Exteriores do país, Simon Kofe, em um discurso gravado que foi apresentado na COP 27 – Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

"Com nosso território desaparecendo, nós não temos outra escolha a não ser nos tornarmos a primeira nação digital do mundo", relatou Kofe.

(Mynt/Divulgação)

Embora as autoridades da ilha ainda estejam tentando deter o avanço do mar, o projeto de criação de Tuvalu no metaverso é uma iniciativa independente. A versão digital da ilha de Teafualiku já está em construção. Caso o objetivo maior seja alcançado, as versões real e virtual existirão em paralelo, declarou o ministro.

"Nossa terra, nosso oceano, nossa cultura são os bens mais preciosos de nosso povo, e para mantê-los protegidos contra danos, não importa o que aconteça no mundo físico, nós os moveremos para a nuvem. A ideia é continuar a funcionar como um Estado e, além disso, preservar a nossa cultura, conhecimento e história num espaço digital", explicou.

Um dos objetivos da réplica do arquipélago no metaverso é garantir que o país continue a ser reconhecido como uma nação autônoma e que as suas fronteiras marítimas continuem a ser mantidas mesmo que as nove ilhas que o compõem acabem ficando submersas.

Atualmente, até 40% da capital de Tuvalu, Funafuti, fica inundada durante períodos de maré alta, e a previsão é que todo o país fique submerso até o final deste século. Tuvalu tem uma extensão de cerca de 25 quilômetros quadrados e uma população de 12 mil habitantes.

Ao revelar os planos para a criação de uma versão virtual do país, Kofe ressaltou que as nações mais poderosas do planeta não estão agindo para barrar o avanço das mudanças climáticas, conforme acordado em conferências anteriores: "Temos visto projeções de aumento da temperatura global bem acima de 1,5ºC, indicando o iminente desparecimento de ilhotas como esta".

Não foi a primeira vez que Kofe ganhou destaque por sua participação em conferências do clima. Na COP 26, o ministro de Tuvalu montou um palanque em uma região submersa da cidade e fez seu discurso com a água do mar na altura dos joelhos.

A concretização dos planos anunciados por Kofe em seu discurso faria de Tuvalu a primeira nação a ter uma réplica fidedigna no metaverso.

Outras iniciativas semelhantes

No ano passado, o governo de Barbados anunciou a disposição para a abertura de uma embaixada no metaverso Decentraland, cujos custos de implantação foram estimados em US$ 50.000. Em um primeiro momento, o espaço vai servir para oferecimento de serviços diplomáticos a pessoas de qualquer lugar do mundo.

Já na Indonésia, o plano diretor da capital Jacarta agora inclui uma réplica virtual a ser construída nos próximos quatro meses. O governo da Coreia do Sul, cujo país tem a quarta maior população gamer do mundo, estabeleceu uma aliança para o metaverso que inclui o Ministério da Ciência e da Tecnologia e a iniciativa privada.

Na Europa, o governo da Catalunha, região autônoma que inlcui as províncias de Girona, Lérida e Tarragona, inaugurou sua "República Digital" com o objetivo de "promover a cultura e a língua catalãs" em uma plataforma intitulada CatVers.

O projeto, que teria custado US$ 450 mil, sofreu inúmeras críticas por parte dos usuários por apresentar comandos em inglês e se restringir a um único espaço: uma sala virtual simples com uma disposição arquitetônica que remete a um museu de arte contemporânea no meio das montanhas de Montserrat, o símbolo mais tradicional da Catalunha. Além disso, há opções reduzidas de avatares para que os usuários possam interagir no espaço virtual oficial da Catalunha.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok