Opinião: A Web3 está rapidamente transformando as carteiras digitais

Uso de carteiras digitais pode se tornar mais comum do que parece. Entenda como elas podem integrar a nova fase da internet
Nova fase da internet pode impactar uso de carteiras digitais (metamorworks/Getty Images)
Nova fase da internet pode impactar uso de carteiras digitais (metamorworks/Getty Images)
N
Nathan ThompsonPublicado em 13/11/2022 às 10:00.

Por Nathan Thompson*

O mais notável de se usar uma carteira digital para comprar abacaxis de uma senhorinha sentada com pernas cruzadas em uma barraca na estrada em plena área rural do Laos, é que, na realidade, não há nada de notável nisso, pois é muito mais comum do que parece. A senhorinha pesa os abacaxis em uma balança antiga e, em seguida, te mostra o QR code colado à mesa de madeira áspera.

Eu escaneio o código com meu aplicativo do banco e transfiro o dinheiro. O recibo aparece no meu telefone, ela olha e sorri.

O crescimento recente das carteiras digitais no mundo inteiro tem sido impressionante. Um novo estudo da Juniper Research revelou que "o número total de usuários de carteiras digitais excederá 5.2 bilhões globalmente em 2026, acima de 3.4 bilhões em 2022, representando um forte crescimento de mais de 53%."

A pesquisa prevê que o uso de carteiras digitais continuará aumentando em países em desenvolvimento, tais como o Laos, que atualmente ainda utilizam bastante o dinheiro em espécie.

(Mynt/Divulgação)

Apesar dos aplicativos de banco facilitarem as coisas, eles ainda dependem de um sistema bancário centralizado dominado por antigos paradigmas. São as carteiras blockchain que vão ver a próxima versão das carteiras digitais e não vão parecer em nada com a cultura atual.

As carteiras nativas da Web3 são alguns dos "super aplicativos" que estão liderando o desenvolvimento de carteiras que conectam usuários a mais de 3700 aplicativos em todo o ecossistema cripto. De acordo com Statista, esses números tiveram um crescimento expressivo em todo o mundo, principalmente no Brasil, na Indonésia, Rússia, Índia e Nigéria.

Estas carteiras são identificadas na blockchain por uma sequência de números. Portanto, eles são seguros na medida em que você opta por manter sua identidade separada da identidade da carteira. Cada transação que você fizer com a carteira é registrada na blockchain e esses dados podem criar uma identidade digital, semelhante ao seu histórico de pesquisa do Google.

Mas seus dados da Web3 são de sua propriedade, não de uma empresa privada. E, portanto, não podem ser vendidos para anunciantes ou utilizado por algoritmos projetados para vender produtos e serviços que você pode ou não precisar.

No mundo da Web3, aplicativos como Daylight e DeBank requerem permissão para ler os dados da sua carteira; você literalmente os registra quando vincula ao aplicativo deles e pode revogar o acesso a qualquer momento. Uma vez vinculados, esses aplicativos podem rastrear suas transações e catalogar suas participações ou listar todos os airdrops, votos DAO e outros benefícios para os quais sua carteira está qualificada a receber em blockchains.

No entanto, os aplicativos Web3 exigem um "nível não trivial de experiência" (que é uma frase excelente que peguei para ler dos whitepapers de projetos blockchain). Então, peguemos o exemplo das exchanges centralizadas (CEX).

Quase todo mundo que começa no mundo das criptos, começa comprando moedas através de uma das principais plataformas centralizadas de exchange de cripto (CEX). E como uma importante porta de entrada para o mundo da Web3, essas plataformas oferecem carteiras semelhantes, criadas para serem fáceis de usar.

Uma carteira de uma exchange (ou uma carteira CEX) permite que você acesse os mesmos aplicativos descentralizados (DApps) que o MetaMask e outros, mas a corretora se encarrega de armazenar suas chaves com segurança, pagar taxas e controlá-las. Essas carteiras são uma etapa essencial para que os usuários explorem o mundo das criptos de forma mais ampla, livres dos muitos riscos e complexidades envolvidos.

Conforme o metaverso se expande, as carteiras digitais irão evoluir ainda mais. No início deste ano, o co-fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, lançou os NFTs Soulbound, um novo tipo de padrão de token que, uma vez em sua carteira, não pode ser transferido.

Enquanto o NFT padrão ERC-721 original pode ser usado para representar itens baseados em blockchain, como jpegs colecionáveis e bolsas de grife e outros itens físicos, os novos NFTs Soulbound podem representar coisas como diplomas universitários, pontuações de crédito e conquistas acadêmicas.

Ao se candidatar a um emprego, em vez de um currículo com uma foto, você vinculará uma de suas carteiras – a carteira que contém suas credenciais – para que os recrutadores possam visualizar e verificar facilmente suas qualificações.

"Quando você aprende algo na 101, o conteúdo do curso e o comprovante de que você foi aprovado e passou nele são armazenados permanentemente e compartilháveis com qualquer pessoa do mundo", disse Tim Connors, CEO da plataforma 101, sobre educação em criptos, no Twitter. "Em vez de termos que confiar nas instituições de ensino, podemos apenas olhar diretamente para o que foi aprendido. É tudo transparente."

É fácil imaginar que as suas carteiras blockchain não só serão usadas para armazenar chaves cripto ou acessar DApps, mas reunirá elementos de seu passaporte, currículo e até redes sociais, conquistas fitness e muito mais em um único aplicativo controlado por você. Elas serão a sua chave para o mundo da Web3, independente de como ele vier a ser.

Parece exagero? Bem, se você tivesse me dito há 5 anos que eu compraria abacaxis na zona rural do Laos com um QR code, eu sinceramente não acreditaria. As mudanças podem acontecer mais rápido do que imaginamos.

*Nathan Thompson é o principal redator sobre tecnologia da Bybit.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok