Bitcoin salta 12% após queda recorde, mas a pausa pode ser breve

O salto pode ser uma pausa breve para um movimento de perdas recordes consecutivas; no mês, a maior criptomoeda do mundo acumula perda de 40%
Bitcoin: Maior criptomoeda do mundo, o Bitcoin subiu até 12% no início de domingo (Getty/Getty Images)
Bitcoin: Maior criptomoeda do mundo, o Bitcoin subiu até 12% no início de domingo (Getty/Getty Images)
Por Agência O GloboPublicado em 19/06/2022 15:58 | Última atualização em 19/06/2022 15:58Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Maior criptomoeda do mundo, o Bitcoin subiu até 12% no início de domingo, recuperando parte das perdas de uma queda acentuada no sábado, que levou o token para US$ 17.599.

O salto, depois de 12 dias consecutivos de queda, no entanto, dizem analistas, pode ser uma pausa breve para um movimento de perdas recordes consecutivas.

Em Nova York, às 9h15, deste domingo, o Bitcoin era cotada a US$ 19.500. O Ether, outra criptomoeda, que chegou a US$ 881 na liquidação, subiu 15%, para US$ 1.040. As moedas alternativas de Avalanche a Solana também tiveram ganhos.

Mesmo com o salto, o Bitcoin caiu quase 40% este mês e mais de 70% em relação ao seu recorde histórico alcançado em novembro.

O mercado de criptomoedas é conhecido por suas oscilações selvagens, principalmente nos fins de semana, quando os movimentos podem ser ampliados.

VEJA TAMBÉM:

10 analistas comentam porque bitcoin está caindo e o que investidores podem esperar no curto prazo

Salário em bitcoin: como funciona, de acordo com CEO de empresa que paga funcionários em cripto

Brasileiros já investem mais em criptomoedas que franceses e ingleses, revela pesquisa da FGV

Ainda assim, o tom geral permanece negativo, com o aperto monetário fornecendo ventos contrários macro e crises dentro das criptomoedas, levantando preocupações sobre o aumento de perdas.

As negociações foram mais pesadas que o normal neste fim de semana, com o volume de negociações de Bitcoin se aproximando de US$ 40 bilhões nas últimas 24 horas por volta das 9h, horário de Nova York, de acordo com a CoinGecko.

Uma mistura tóxica de ciclos de más notícias e taxas de juros mais altas prejudicou as criptomoedas.

O Federal Reserve elevou sua principal taxa de juros, em 15 de junho, em três quartos de ponto percentual - o maior aumento desde 1994 - e os bancos centrais sinalizaram que continuarão subindo agressivamente este ano na luta para domar a inflação.

No último sábado e domingo, os volumes ficaram em US$ 25,6 bilhões e US$ 22,5 bilhões, respectivamente.

Aumentando o clima, o fundo de hedge cripto Three Arrows Capital sofreu grandes perdas e disse que estava considerando a venda de ativos ou um resgate, enquanto outro credor, Babel Finance, seguiu os passos de Celsius na sexta-feira.

O mercado de criptomoedas como um todo agora é uma fração do tamanho que atingiu no final de 2021, quando o Bitcoin foi negociado perto de US$ 69.000 e os comerciantes despejaram dinheiro em investimentos especulativos de todos os tipos. O valor total de mercado de criptomoedas foi de cerca de US$ 900 bilhões no domingo, abaixo dos US$ 3 trilhões em novembro, mostram dados da CoinGecko.