Salário em bitcoin: como funciona, de acordo com CEO de empresa que paga funcionários em cripto

A Exodus vem pagando todos os seus funcionários integralmente em bitcoin desde o lançamento de sua carteira digital em 2015, disse o CEO JP Richardson
Salário é calculado todo mês de acordo com cotação da criptomoeda (SOPA/Getty Images)
Salário é calculado todo mês de acordo com cotação da criptomoeda (SOPA/Getty Images)
Por Cointelegraph BrasilPublicado em 17/06/2022 10:22 | Última atualização em 15/06/2022 08:52Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O principal provedor de carteira de criptomoedas Exodus continua pagando seus funcionários em bitcoin, apesar do mercado em baixa, com o valor total de mercado caindo abaixo de US$ 1 trilhão na segunda-feira, 13.

Desde o lançamento de seu software de carteira de criptomoedas em 2015, a Exodus paga a sua equipe 100% em bitcoin, disse o cofundador e CEO da Exodus, JP Richardson, ao Cointelegraph.

A empresa continuou a pagar todos os seus 300 funcionários em bitcoin mesmo durante as principais crises do mercado, fornecendo folha de pagamento mensal com base em seu salário em dólares americanos.

“Por exemplo, se o bitcoin custa US$ 30.000 por token e alguém ganha US$ 15.000 por mês, ele receberá meio bitcoin no primeiro dia desse mês”, observou Richardson.

Além de converter cada salário em BTC a cada mês, a Exodus também adiciona uma pequena porcentagem a cada “salário” para contabilizar a volatilidade. “Isso nos ajudou a recrutar aqueles que permanecem comprometidos com a missão de [finanças descentralizadas, DeFi, ao mesmo tempo em que acomodam pessoas com obrigações financeiras que ainda desejam converter qualquer porcentagem de seu salário em moeda fiduciária”, disse Richardson.

(Mynt/Divulgação)

Os funcionários da Exodus são livres para converter seu pagamento de bitcoin em moedas fiduciárias ou stablecoins, que é uma “escolha de investimento pessoal que não é impulsionada pela Exodus”, acrescentou o CEO.

As implicações fiscais continuam sendo a maior questão dos funcionários quando se trata de um salário pago em bitcoin, afirmou Richardson:

“A pergunta mais popular que recebemos de novos funcionários é como o salário de criptomoedas afeta seus impostos. É por isso que oferecemos a todos uma consulta tributária com um contador para instruí-los adequadamente sobre como usar o Bitcoin e garantir que estejam pagando adequadamente seus impostos.”

De acordo com o CEO, um terço dos membros da equipe da Exodus estão localizados nos Estados Unidos, enquanto o restante está espalhado pelo mundo. Em seu site oficial, a Exodus menciona que algumas jurisdições são mais restritivas do que outras quando se trata de pagamentos em Bitcoin, exigindo que os funcionários verifiquem se é legal receber bitcoin como pagamento em alguns estados dos EUA.

Os salários em bitcoin fazem parte da estratégia da Exodus para permitir que as pessoas “experimentem a revolução financeira a partir dos bancos da frente”. Esses pagamentos não apenas permitem que os funcionários empilhem facilmente sats em suas contas de investimento, mas também visam permitir a transparência salarial. De acordo com a empresa, todos na equipe remota da Exodus sabem o que seus colegas de trabalho ganham, até mesmo o CEO.

Richardson se recusou a comentar se a última liquidação do mercado teve algum impacto direto na equipe da empresa. “Embora tenhamos sido impactados – como o resto do mercado – pela volatilidade das criptomoedas, continuamos focados em dobrar a aposta para entregar valor por meio de um hub único para Web3 por meio de nossa extensão de navegador multichain”, resumiu.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok